Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Associação prevê superávit comercial de US$ 46,9 bi para 2016 - Jornal Brasil em Folhas
Associação prevê superávit comercial de US$ 46,9 bi para 2016


A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) divulgou hoje (19) projeção de superávit (exportações maiores que importações) de US$ 46,9 bilhões para a balança comercial em 2016. Em 2015, a balança brasileira encerrou superavitária em US$ 19,6 bilhões. O resultado foi o melhor desde 2011, quando foi registrado saldo positivo de US$ 29,7 bilhões.

Apesar da expectativa de ampliação do superávit, a AEB prevê que as exportações rendam menos este ano do que em 2015. A previsão é que as vendas externas atinjam US$ 187,5 bilhões, caindo 1,9% ante os US$ 191,1 do ano passado.

Recorde

As importações, no entanto, devem cair em ritmo mais intenso, compensando o recuo das exportações. A estimativa da AEB é que as compras do Brasil no exterior somem US$ 140,5 bilhões, 18% menos que os US$ 171,4 bilhões de 2015.

Na avaliação da AEB, 2016 terá um superávit “negativo”, a exemplo do que ocorreu em 2015. O saldo positivo da balança será em razão não de um aumento das exportações brasileiras, mas de uma queda nas importações causada pelo desaquecimento econômico.

A entidade destacou que, caso se confirme, a previsão de superávit de US$ 46,9 bilhões será um recorde histórico, superando os US$ 46,4 bilhões alcançados em 2006.

Retração

Para o presidente da AEB, José Augusto de Castro, todos os setores produtivos devem ser afetados por essa desaceleração da balança comercial. Destacou, entretanto, que já se começa a verificar uma leve recuperação.

Em bens de capital, a redução acentuada que se verificou nos cinco primeiros meses do ano já começou a amenizar. A AEB prevê queda de apenas 5,7% na importação desse item em 2016. Na exportação, a retração está concentrada em produtos básicos (-6,3%), em função da queda de preços, especialmente de minério de ferro e petróleo.

Nos produtos manufaturados, a expectativa é de alta de 0,2%, ajudada em grande parte pela exportação do setor automobilístico para a Argentina.

Segundo Castro, isso mostra que, “apesar da taxa de câmbio ter sido favorável no segundo semestre de 2015 e no primeiro semestre de 2016, as exportações não reagiram, mostrando que precisamos não apenas de taxa de câmbio, mas, principalmente, de reformas estruturais nas áreas trabalhista, previdenciária e tributária, além de investimentos em infraestrutura, acrescentou.

Reformas

De acordo do com presidente da AEB, é preciso reduzir o famoso custo Brasil. O câmbio não é suficiente para compensar a redução do custo Brasil.” José Augusto de Catro explicou que devido a flutuação do câmbio não se pode dizer como ele estará no futuro, porque “ele oscila muito, gera insegurança”.

Conforme Castro, as exportações brasileiras de bens manufaturados em 2015 e projetadas para 2016 têm valor igual ao de 2006, “dez anos atrás. É um cenário muito pesado para o Brasil. As reformas têm de ser feitas hoje. Não adianta pensarmos que a taxa de câmbio vai resolver, porque não resolve. Ajuda, mas não tem capacidade, sozinha, de resolver nosso problema atual.”

O país continua dependente das commodities (produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado internacional. Só que nas commodities, não temos controle sobre preços, muito menos sobre quantidade. Temos de torcer para que a China continue bem, porque isso significa que a demanda por commodities está bem. Se houver qualquer imprevisto com a China, vamos pagar a conta”, concluiu o presidente da AEB.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212