Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Deputado critica política de confronto em áreas pacificadas com UPP no Rio - Jornal Brasil em Folhas
Deputado critica política de confronto em áreas pacificadas com UPP no Rio


A política de enfrentamento nas comunidades pacificadas onde foram implantadas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) demonstra o insucesso desse modelo de policiamento e o aumento das mortes de policiais militares e civis nessa política de guerra. A afirmação foi feita pelo deputado estadual Paulo Ramos (PSOL), que é major reformado da Polícia Militar (PM) e presidente da comissão parlamentar de inquérito (CPI) criada para apurar as causas do aumento do número de mortes e incapacitações de profissionais de segurança pública.

Segundo o parlamentar, há muito tempo a política de segurança pública está baseada na eliminação do inimigo. Ramos disse que, ao longo dos anos, os governadores consideraram um êxito a “política do confronto. Ele citou como exemplo os Estados Unidos, que não usam mais essa política de ocupação de território. “A ocupação de território acarreta baixas, e os americanos perderam milhares de soldados nas guerras de que participaram nos últimos anos”, disse o deputado à Agência Brasil.

Ramos ressaltou que, nesse tipo de política, “as tropas de ocupação mais bem armadas, aparelhadas e preparadas ocupam o território e voltam, mas os policiais das UPPs ficam nas comunidades. Aí ocorrem as operações policiais de enfrentamento, visando à eliminação do inimigo, que começou a reagir, e o número de mortes vem aumentando de ambos os lados”.

Para o sociólogo Dário Silva, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), nos últimos dois anos, tanto o efetivo militar quanto o efetivo da Polícia Civil vivem uma guerra contra o crime organizado, e a polícia do Rio é a que mais tem mais vítimas nesses confrontos, inclusive com policiais mortos fora do horário de trabalho. “Mas [a polícia do Rio] também é a que mais mata no país.”

Para o professor, o crescimento desses índices tem uma série de tentáculos, entre os quais destacam-se o tráfico internacional de armas e drogas e a guerra pelo poder entre grupos criminosos rivais. Silva citou ainda as chacinas contínuas com as quais a população vai se acostumando e que se tornam algo familiar pela banalização do crime. Nos últimos 25 anos, parece que não é prioridade uma solução estrutural em termos de política de segurança. E, com o aumento dos casos, a população aposta que, com mais confronto, é possível reduzir a onda de violência, mas o que se vê é o contrário”, disse Silva.

Prioridade é preservar a vida, diz Secretaria

Em nota, a Secretaria de Estado de Segurança diz que tem como prioridade a preservação da vida e a redução de índices de criminalidade no estado. Por isso, investe desde 2007 no processo de pacificação nas comunidades e na implantação do Sistema Integrado de Metas. De acordo com a secretaria, houve 17 mortes decorrentes de oposição à intervenção policial em áreas de UPP no primeiro semestre do ano passsado, o que equivale a uma redução de 82,8%, se comparado ao registrado no primeiro semestre de 2008 (99 vítimas).

O número de mortes em reações à intervenção policial também caiu no período de 2007 a 2015. A redução foi de 51,5% (685 vítimas).

A nota da secretaria diz ainda que tomou várias medidas para reduzir os índices de violência no estado: diminuiu o uso de fuzis, criou o Centro de Formação do Uso Progressivo da Força e a Divisão de Homicídios, que passou a investigar as mortes decorrentes de oposição à intervenção policial. O comunicado destaca que, desde 2007, 2.038 policiais foram expulsos das corporações pelas corregedorias.

Com a morte do subtenente reformado da PM Carlos Magno Sacramento, de 54 anos, no início desta semana, em Itaboraí, região metropolitana do Rio, sobe para 60 o número de policiais militares assassinados desde o início do ano no estado do Rio. O policial estava em um bar, bebendo com amigos, na tarde de segunda-feira (11), quando foi baleado. Sacramento chegou a ser socorrido, mas, levado a um pronto-socorro socorro, não resistiu aos ferimentos.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212