Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ativistas ambientais pedem que Siemens não participe de hidrelétrica no Tapajós - Jornal Brasil em Folhas
Ativistas ambientais pedem que Siemens não participe de hidrelétrica no Tapajós


Cerca de 30 ativistas ambientais protestaram em frente à sede da empresa Siemens, na capital paulista, contra a construção da Usina Hidrelétrica São Luiz do Tapajós, no estado do Pará. A organização não governamental (ONG) Greenpeace, que promoveu o ato, pede que a Siemens não se envolva no projeto, uma vez que a empresa é uma das principais fornecedoras de equipamentos para hidrelétricas no mundo, incluindo a Usina de Belo Monte, também no Pará.

O grupo de manifestantes mostrava imagens do Rio Tapajós e do povo indígena Munduruku, que sofrerá impacto, caso a usina seja construída, com o alagamento de parte de seu território, chamado de Terra Indígena (TI) Sawré Muybu. Segundo a ONG, isso significa uma ameaça à cultura e ao modo de vida de mais de 12 mil indígenas que habitam a região.

O reservatório da Usina de São Luiz do Tapajós vai alagar quase 400 quilômetros quadrados (km²) e pode gerar mais de 2,2 mil km² de desmatamento, o que equivale a um terço do desmatamento no Brasil inteiro, em 2015, disse Thiago Almeida, do Greenpeace.

Segundo ele, há ainda ameaças à fauna e à flora da região, na qual existem espécies endêmicas. Ou seja: só encontradas lá. Por outro lado, acrescentou, tem a questão das mais de 12 mil pessoas que vivem na região, entre eles os índios Munduruku. O modo de vida deles é ameaçado pela construção da usina, porque vai alagar diversos igarapés e pedrais, importantes criadouros, locais de reprodução de peixes e outros animais dos quais eles se alimentam”.

Além da população local depender da floresta e do Rio Tapajós, Almeida ressaltou que a área a ser alagada corresponde a terras sagradas do povo Munduruku.

Segundo relatório da entidade, divulgado em abril deste ano, uma combinação de energias solar, eólica e biomassa pode substituir o projeto de São Luiz do Tapajós. O Greenpeace disse que a empresa ainda não assumiu um “compromisso claro e objetivo” de que vai ficar distante do empreendimento.

Reconhecimento da TI Sawré Muybu

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama) suspendeu, em 19 de abril, o licenciamento ambiental do projeto hidrelétrico. “Parecer técnico da Funai, encaminhado ao Ibama em 26 de fevereiro, aponta a inviabilidade do projeto sob a ótica do componente indígena, e recomenda a suspensão do licenciamento. De acordo com o documento, a necessidade de remoção de aldeia torna o projeto inconstitucional, inviabilizando a análise do processo”, de acordo com nota do Ibama.

A presidência do instituto informou, na época, que um eventual prosseguimento do licenciamento ambiental dependeria de manifestação conclusiva da Funai. Em dezembro de 2014, o Ibama já tinha recusado os estudos de impacto ambiental apresentados pela Eletrobras, responsável pelo empreendimento, e a suspensão do licenciamento está mantida.

Também em 19 de abril, a Fundação Nacional do Índio (Funai) publicou, no Diário Oficial da União, estudos de identificação e delimitação de algumas terras indígenas. Entre elas a Sawré Muybu, do povo Munduruku, que seria parcialmente alagada. Com 178.173 hectares, a TI está localizada nos municípios de Itaituba e Trairão, no Pará. O processo de demarcação da área teve início em 2007, quando foi instituído o primeiro grupo para realizar os estudos de identificação e delimitação.

Para o presidente da Funai à época, João Pedro, a fundação reconhece a tradicionalidade da ocupação dos respectivos povos sobre suas terras e trabalha no sentido de garantir o direito ao território àquelas populações.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212