Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 João Santana reclama a Moro do rigor com o crime de caixa dois - Jornal Brasil em Folhas
João Santana reclama a Moro do rigor com o crime de caixa dois


O marqueteiro João Santana disse ao juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (21) que recebia dinheiro de caixa dois por "circunstâncias do mercado" e pediu "proporcionalidade" na análise de seu processo na Justiça.

Santana disse que "98% das campanhas eleitorais" do país trabalham com caixa dois e que adotou uma conduta "pragmática". Reclamou de ser tratado como um criminoso "perigoso" e que ele e a mulher, Mônica Moura, são os únicos presos por caixa dois.

Disse que o caixa dois já remunerou "milhões" de pessoas pelo país e é fruto de um sistema corrompido.

"Se tivesse o mesmo rigor [na Justiça] que está havendo comigo, haveria uma fila que iria de Brasília a Manaus, poderia ser fotografada de satélite."

Ao longo de cerca de uma hora de depoimento, em diversas ocasiões que o recebimento de dinheiro dessa forma é uma "cultura" recorrente na política não só no Brasil. Ele foi o responsável pelo marketing de três campanhas presidenciais do PT, de 2006 a 2014, e está preso na Operação Lava Jato desde fevereiro.

Como disse não ter os detalhes sobre a negociação para o recebimento de dinheiro, seu depoimento se concentrou em detalhes da dinâmica das campanhas eleitorais e em uma espécie de explicação sobre a dinâmica da remuneração nas campanhas.

O marqueteiro disse que se sentia incomodado por receber dinheiro dessa maneira, mas sustentou que não há como permanecer na profissão de outra forma.

Moro chegou a repreendê-lo em diversos momentos. Perguntou se a prática não configura uma trapaça e disse que a prática acaba criando um ambiente em que empresários, políticos e agentes públicos aceitam atos ilegais como a regra do jogo.

"Convenhamos, não dá para ser meio legal, meio lícito. Eu faço meio licitamente meus trabalhos, disse o juiz.

Santana também disse que jamais pensou que seria preso e falou sobre sua relação com o PT. Disse que simpatizava com as propostas do partido, embora fosse visto como um "corpo estranho" dentro da estrutura partidária e sofresse muitas críticas.

Disse ainda que sua figura era superestimada na política nacional. "Se agigantou muito o grau de influência. Virei uma lenda para o bem e para o mal."

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212