Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 João Santana reclama a Moro do rigor com o crime de caixa dois - Jornal Brasil em Folhas
João Santana reclama a Moro do rigor com o crime de caixa dois


O marqueteiro João Santana disse ao juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (21) que recebia dinheiro de caixa dois por "circunstâncias do mercado" e pediu "proporcionalidade" na análise de seu processo na Justiça.

Santana disse que "98% das campanhas eleitorais" do país trabalham com caixa dois e que adotou uma conduta "pragmática". Reclamou de ser tratado como um criminoso "perigoso" e que ele e a mulher, Mônica Moura, são os únicos presos por caixa dois.

Disse que o caixa dois já remunerou "milhões" de pessoas pelo país e é fruto de um sistema corrompido.

"Se tivesse o mesmo rigor [na Justiça] que está havendo comigo, haveria uma fila que iria de Brasília a Manaus, poderia ser fotografada de satélite."

Ao longo de cerca de uma hora de depoimento, em diversas ocasiões que o recebimento de dinheiro dessa forma é uma "cultura" recorrente na política não só no Brasil. Ele foi o responsável pelo marketing de três campanhas presidenciais do PT, de 2006 a 2014, e está preso na Operação Lava Jato desde fevereiro.

Como disse não ter os detalhes sobre a negociação para o recebimento de dinheiro, seu depoimento se concentrou em detalhes da dinâmica das campanhas eleitorais e em uma espécie de explicação sobre a dinâmica da remuneração nas campanhas.

O marqueteiro disse que se sentia incomodado por receber dinheiro dessa maneira, mas sustentou que não há como permanecer na profissão de outra forma.

Moro chegou a repreendê-lo em diversos momentos. Perguntou se a prática não configura uma trapaça e disse que a prática acaba criando um ambiente em que empresários, políticos e agentes públicos aceitam atos ilegais como a regra do jogo.

"Convenhamos, não dá para ser meio legal, meio lícito. Eu faço meio licitamente meus trabalhos, disse o juiz.

Santana também disse que jamais pensou que seria preso e falou sobre sua relação com o PT. Disse que simpatizava com as propostas do partido, embora fosse visto como um "corpo estranho" dentro da estrutura partidária e sofresse muitas críticas.

Disse ainda que sua figura era superestimada na política nacional. "Se agigantou muito o grau de influência. Virei uma lenda para o bem e para o mal."

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212