Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cozinha e ciência se aliam para entender percepção sensorial - Jornal Brasil em Folhas
Cozinha e ciência se aliam para entender percepção sensorial


A genética influencia nosso gosto culinário? Por que o vinho branco harmoniza com peixe? Por que a comida tem melhor sabor quando estamos famintos? Renomados chefes e cientistas organizarão um simpósio na Espanha para dar respostas a estas perguntas.

Este simpósio, que acontecerá em San Sebastián (norte) entre os dias 24 e 26 de outubro, será a primeira ação do projeto Brainy Tongue, apresentado esta semana em Barcelona e impulsionado pelo Centro de Regulação Genômica (CRG) desta cidade juntamente com instituto de pesquisa gastronômica Basque Culinary Center para incrementar a colaboração entre as duas disciplinas.

O mundo da cozinha sempre se aproximou da ciência e o da ciência ao da cozinha. Mas faltava algo, explicou o chefe espanhol Andoni Luis Aduriz, do restaurante com duas estrelas Michelin Mugaritz, um dos impulsionadores dessa iniciativa.

Ele será um dos participantes importantes deste simpósio, junto com o chefe britânico Heston Blumenthal e a confeiteira cingapuriana Janice Wong, que colocarão sua experiência gastronômica a serviço de geneticistas, físicos e neurocientistas chegados a universidades de prestígio como Oxford, Cambridge e Yale.

Os cozinheiros sabem como fazer seus convidados se deleitarem, que produtos encaixam bem com outros ou como mesclar os diferentes sentidos para incrementar o prazer gustativo, mas a magia deste processo tem sua base na neurociência, explicou o investigador do CRG, Matthieu Louis.

Entretanto, nos dias de hoje continuamos ignorando a maioria dos princípios científicos que estão por trás de uma comida excepcional, acrescentou.

Entender estes processos neuronais pode servir para criar menus pelo perfil genético ou a partir da saúde de cada pessoa, antecipando como serão combinadas diferentes substâncias distintas ou, inclusive, como poderá produzir tecnologicamente realidades olfativas e gustativas virtuais.

E como os míopes dispõem de óculos para melhorar sua percepção, imaginem que existam óculos para a boca, uma colher ou uma tigela que induza artificialmente sabores na língua para adultos com as papilas desgastadas, exemplifica Aduriz.

Isto não leva a nada, mas todo mundo é colocado para trabalhar em equipe a fim de encontrar soluções e isso me parece muito importante, acrescentou.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212