Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cientistas analisam relação de cooperação entre aves e humanos - Jornal Brasil em Folhas
Cientistas analisam relação de cooperação entre aves e humanos


Há várias gerações, habitantes da África trabalham em parceria com as aves selvagens da família Indicatoridae para encontrar ninhos e mel de abelhas. Na quinta-feira (21), cientistas anunciaram que analisaram pela primeira vez este relacionamento especial.

A ligação tem benefícios para ambos: os seres humanos subjugam as abelhas com fumaça e colhem o mel, enquanto os pássaros comem a cera da colmeia.

Mas o modo como essa comunicação funciona ganhou uma nova dimensão quando cientistas descobriram que determinados sinais usados por caçadores da comunidade Yao, em Moçambique, para chamar as aves eram muito mais propensos a incentivá-las a levá-los até o mel.

Os próprios pássaros usam certos sinais para encontrar os seres humanos e quando estes respondem com um sinal que soa como um trinado alto seguido por um grunhido curto - brrr-hm - os pássaros são mais inclinados a levá-los ao mel do que se as pessoas respondessem com uma simples palavra, ou outro tipo de sinal.

A chamada tradicional brrr-hm aumentou a probabilidade de ser guiado por um Indicatoridae de 33% para 66%, disse a pesquisadora Claire Spottiswoode, da Universidade de Cambridge e da Universidade de Cape Town.

E a probabilidade total de que as aves lhes mostrem um ninho de abelhas passou de 16% para 54%, em comparação com os sons de controle, acrescentou.

As Indicatoridae são encontradas em toda a África subsaariana e, dependendo da área, os habitantes usam diferentes sinais para chamá-los.

Esses pequenos pássaros marrons também exploram outras aves para seu próprio benefício - para colocar, por exemplo, seus ovos em ninhos de cucos. Poucos dias depois da eclosão, as crias usam os ganchos afiados na ponta de seus bicos para matar os bebês cucos, para que possam ter o ninho todo para eles.

O maior Indicatoridae é um mestre do engano e da exploração, assim como da cooperação, disse Spottiswoode.

O que é notável na relação entre as Indicatoridae e os humanos é que esta envolve animais selvagens, cujas interações com os seres humanos provavelmente evoluíram por meio da seleção natural, ao longo de centenas de milhares de anos, acrescentou a pesquisadora.

Essa parceria foi relatada pela primeira vez em 1588, quando um missionário português, João dos Santos, viu um pequeno pássaro se dirigindo à sua igreja - na região que é hoje o Moçambique - para comer velas.

Ele também descreveu como a ave levou homens até os ninhos de abelhas, emitindo sons de chamamento e voando de árvore em árvore. Após as pessoas coletarem o mel, o pássaro se alimentou da cera.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212