Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Cientistas analisam relação de cooperação entre aves e humanos - Jornal Brasil em Folhas
Cientistas analisam relação de cooperação entre aves e humanos


Há várias gerações, habitantes da África trabalham em parceria com as aves selvagens da família Indicatoridae para encontrar ninhos e mel de abelhas. Na quinta-feira (21), cientistas anunciaram que analisaram pela primeira vez este relacionamento especial.

A ligação tem benefícios para ambos: os seres humanos subjugam as abelhas com fumaça e colhem o mel, enquanto os pássaros comem a cera da colmeia.

Mas o modo como essa comunicação funciona ganhou uma nova dimensão quando cientistas descobriram que determinados sinais usados por caçadores da comunidade Yao, em Moçambique, para chamar as aves eram muito mais propensos a incentivá-las a levá-los até o mel.

Os próprios pássaros usam certos sinais para encontrar os seres humanos e quando estes respondem com um sinal que soa como um trinado alto seguido por um grunhido curto - brrr-hm - os pássaros são mais inclinados a levá-los ao mel do que se as pessoas respondessem com uma simples palavra, ou outro tipo de sinal.

A chamada tradicional brrr-hm aumentou a probabilidade de ser guiado por um Indicatoridae de 33% para 66%, disse a pesquisadora Claire Spottiswoode, da Universidade de Cambridge e da Universidade de Cape Town.

E a probabilidade total de que as aves lhes mostrem um ninho de abelhas passou de 16% para 54%, em comparação com os sons de controle, acrescentou.

As Indicatoridae são encontradas em toda a África subsaariana e, dependendo da área, os habitantes usam diferentes sinais para chamá-los.

Esses pequenos pássaros marrons também exploram outras aves para seu próprio benefício - para colocar, por exemplo, seus ovos em ninhos de cucos. Poucos dias depois da eclosão, as crias usam os ganchos afiados na ponta de seus bicos para matar os bebês cucos, para que possam ter o ninho todo para eles.

O maior Indicatoridae é um mestre do engano e da exploração, assim como da cooperação, disse Spottiswoode.

O que é notável na relação entre as Indicatoridae e os humanos é que esta envolve animais selvagens, cujas interações com os seres humanos provavelmente evoluíram por meio da seleção natural, ao longo de centenas de milhares de anos, acrescentou a pesquisadora.

Essa parceria foi relatada pela primeira vez em 1588, quando um missionário português, João dos Santos, viu um pequeno pássaro se dirigindo à sua igreja - na região que é hoje o Moçambique - para comer velas.

Ele também descreveu como a ave levou homens até os ninhos de abelhas, emitindo sons de chamamento e voando de árvore em árvore. Após as pessoas coletarem o mel, o pássaro se alimentou da cera.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212