Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fertilização in vitro não aumenta risco de câncer de mama - Jornal Brasil em Folhas
Fertilização in vitro não aumenta risco de câncer de mama


A fertilização in vitro (Fiv) não aumenta o risco de sofrer de câncer de mama, concluiu um estudo realizado na Holanda e publicado na terça-feira na revista médica americana Journal of the American Medical Association (JAMA).

Para fazer um tratamento de Fiv, as mulheres precisam aumentar temporariamente entre cinco e dez vezes certos hormônios sexuais, como o estrogênio e a progesterona, associados a um alto risco para alguns tipos de tumores nas mamas.

Os pesquisadores acompanharam durante 21 anos 25.108 mulheres, que tinham em média 33 anos de idade quando começaram a fazer tratamentos de fertilidade. Trata-se do estudo mais amplo sobre esse tema.

Pesquisas realizadas anteriormente não foram muito abrangentes ou estudaram curtos períodos de tempo, de modo que não foram concludentes, afirmaram os cientistas.

Para o estudo, os autores levaram em conta diversos fatores vinculados aos riscos que aumentam o câncer de mama, como a idade com que as mulheres tiveram seu primeiro filho, a quantidade de vezes que engravidaram e o as tentativas de Fiv.

Esta equipe de oncologistas, liderada por Alexandra W. van den Belt-Dusebout, do Instituto Holandês do Câncer de Amsterdam, fez o acompanhamento de 19.158 mulheres que começaram a Fiv entre 1983 e 1995, assim como de um grupo de controle formado por 5.950 mulheres que recorreram a outros tratamentos de fertilidade.

A média de idade, ao final do período de acompanhamento, era de 54 anos entre as mulheres que realizaram a Fiv, e de 55 anos no grupo de controle.

Durante o período de acompanhamento, os pesquisadores observaram, em ambos os grupos, 839 casos de câncer de mama com metástase e 109 casos em que o tumor estava localizado.

A análise dos dados mostra que aos 55 anos não há diferença em relação ao risco de padecer câncer de mama entre as mulheres que recorreram à Fiv (3%) e as do grupo de controle (2,9%).

O risco não variou conforme o tipo de tratamento de fertilidade e não aumentou após 20 anos ou mais da Fiv.

Os pesquisadores constataram, inclusive, que as mulheres que se submeteram a este tratamento sete vezes apresentavam um risco significativamente menor de padecer câncer de mama que aquelas que o fizeram uma ou duas vezes.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212