Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 O exército turco enfraquecido frente o EI e o PKK - Jornal Brasil em Folhas
O exército turco enfraquecido frente o EI e o PKK


O frustrado golpe de Estado de 15 de julho e o expurgo posterior deixaram o exército turco enfraquecido, em um momento em que a instituição atua em duas frentes: a guerra contra os rebeldes curdos e a luta contra a organização extremista Estado Islâmico (EI).

Seu futuro será decidido, em parte, na quinta-feira (28) durante um conselho militar supremo em Ancara.

O exército se recuperará?

Com 750.000 soldados, em grande parte recrutas, o exército turco é a segunda força da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Até 2010, a Constituição assinalava-o como guardião da República turca e laico, ainda que esse prestígio já faça parte do passado: quase um terço de seus generais (123) está preso, em um expurgo sem precedentes.

Para Sinan Ülgen, presidente do Centro para os Estudos Econômicos e de Política Exterior de Istambul (Edam), o golpe de Estado frustrado terá consequências na capacidade da Turquia em contribuir para a segurança regional. A moral e a coesão do exército se verão inevitavelmente afetadas.

Além disso, uma confiança enfraquecida tornará particularmente problemática a cooperação entre o exército, a polícia e os Serviços de Inteligência, assinalou Ülgen em recente análise.

Qual a consequência na luta contra o EI?

Os americanos tiveram que recorrer a seus geradores na base de Incirlik, de onde saem, desde 2015, seus bombardeiros para atacar os extremistas na Síria: os turcos cortaram a eletricidade. A base foi um dos focos da sublevação contra Erdogan e o comandante, o general Bekir Ercan, está detido.

Apesar disso, para Stephen Biddle, do Conselho de Relações Exteriores com sede em Washington, Incirlik não é determinante na campanha contra o EI: apenas faz que os bombardeios saiam menos caros e sejam mais eficazes, mas outras bases turcas poderiam cumprir essa função.

Mais preocupante é a (falta de) determinação de Ancara na hora de controlar suas fronteiras, já que dela depende a capacidade do grupo Estado Islâmico para se manter financeiramente através da exportação e do contrabando, e para receber combatentes estrangeiros, opina Biddle.

A Turquia não demonstrou muito interesse em vigiar sua fronteira por não ter se tornado alvo do EI e, se mantivesse a baixa vigilância, isso teria consequências muito mais negativas do que a perda de bases militares, advertiu o especialista.

Como afetará a luta contra o PKK?

As hostilidades no sudeste do país contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) foram retomadas há um ano, e já custaram a vida de meio milhão de efetivos das forças de segurança turcas. Ancara deverá substituir o, até agora, responsável pela guerra contra os curdos, o general Adem Huduti, que atualmente dorme atrás das grades.

Apesar disso, a maior parte dos combates eram assumidos pela gendarmeria, relativiza Bulen Aliriza, do Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) e este órgão, que era comandado pelo Ministério da Defesa, passará a ser responsabilidade do Ministério do Interior. Ainda é cedo para predizer as consequências, diz Aliriza.

A Turquia continuará sendo um aliado confiável?

A resposta do governo turco ao golpe suscita dúvidas sobre a confiabilidade da Turquia como aliado, considera Marc Pierini, ex-embaixador da UE em Ancara e analista do Carnegie Europe.

Enquanto numerosos interlocutores habituais dos americanos e das forças da Otan estão hoje detidos, existe também o problema das armas nucleares mantidas em Incirlik.

Ao mesmo tempo, o Ocidente vê com preocupação a repentina aproximação, após meses de tensão entre Ancara e Moscou.

Para Bruno Tertrais, da Fundação para a Investigação Estratégica (FRS) de Paris, uma ruptura com a Otan não beneficiaria a Turquia, mas Erdogan é capaz de tomar decisões pouco racionais.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212