Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Faturamento da indústria de máquinas cai 29,3% no primeiro semestre, diz Abimaq - Jornal Brasil em Folhas
Faturamento da indústria de máquinas cai 29,3% no primeiro semestre, diz Abimaq


O faturamento da indústria de máquinas e equipamentos totalizou R$ 33,060 bilhões no primeiro semestre deste ano, queda de 29,3% na comparação com o mesmo período do ano passado. Considerando-se apenas o mês de junho, o setor faturou R$ 5,867 bilhões, representando recuo de 23,7% sobre o mesmo mês do ano passado e avanço de 4,2% sobre o mês anterior. Os dados foram divulgados hoje (27) pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Para José Velloso, presidente executivo da Abimaq, o balanço do setor mostra que a “crise é mais profunda do que nós imaginávamos”.

“Estamos atravessando o quarto ano de queda. Nesse quarto ano, estamos de janeiro a junho com uma queda de 30% do faturamento. Se avaliarmos só o mercado interno, a perda passa de 40%. É uma redução de 30% [do faturamento no primeiro semestre]”, disse Velloso.

Motivos

Segundo ele, o recuo no faturamento do setor é explicado principalmente por três razões: falta de confiança do empresário, juros altos e instabilidade política.

“O principal motivo da crise no setor é a falta de confiança do mercado. Uma máquina é um investimento para quem compra. Então, um empresário só vai investir quando tiver confiança de que esse investimento terá retorno.”

Para o presidente da Abimaq, outro desmotivador é a alta taxa de juros. Se deixo dinheiro no banco, sem risco nenhum, e se ele [dinheiro] tiver remuneração acima de 14%, em um ambiente de inflação projetado em 7,5%, por que essa empresa vai investir em produção e correr risco?”, criticou Velloso.

Impeachment

“Acredito que, depois de passada essa indefinição política [com a finalização do processo de impeachment], essa componente política pode ser contornada. Mas as outras duas questões [juros altos e falta de confiança do empresariado] não. Se o Brasil continuar com essa política monetária de juros altos, não vamos sair dessa recessão”, afirmou.

Entre janeiro e junho, as exportações tiveram avanço de 1,1%, somando US$ 3,991 bilhões. Nesse mesmo período, as importações totalizaram US$ 8,398 bilhões, com queda de 18,8% sobre o primeiro semestre de 2015. Com isso, o saldo da balança comercial ficou negativo em US$ 4,407 bilhões nos primeiros seis meses deste ano, recuo de 31,1% sobre o mesmo período do ano passado.

Em junho, as exportações mantiveram-se estáveis com relação a maio, mas 2,3% superior a junho do ano passado, somando US$ 695 milhões. Já as importações somaram em junho US$ 2,320 bilhões, alta de 93,5% sobre maio e de 44,1% sobre junho do ano passado.

Empregos

“A balança comercial no setor parou de piorar por causa da importação. A queda da importação ocorreu pela redução do consumo aparente, ou seja, está se consumindo menos máquinas no Brasil, nacional ou importada. A tendência até o fim do ano é mais ou menos do jeito como estamos, com balança comercial negativa, mas menos negativa do que era”, acrescentou Velloso.

Quanto ao nível de emprego, houve queda de 0,5% em junho na comparação com maio e de 9,6% sobre o mesmo mês do ano anterior. No fim de junho, o setor totalizava 307.507 funcionários.

“Desde o início da crise, em 2013, já demitimos aproximadamente 80 mil empregados. Temos hoje cerca de 307 mil empregados diretos. A tendência é continuarmos caindo, mas o ritmo de queda diminuiu. Existem alguns motivos para isso. Um deles é que muitas empresas já não têm mais condições de demitir, porque demissão mexe com o caixa da empresa. Então, o empresário não tem mais dinheiro para demitir. A outra questão é porque a queda de faturamento, embora continue, está menos acentuada do que antes.”

Para o presidente da associação, a projeção para o ano é de queda na comparação com o ano anterior. “Nossa queda de faturamento, com certeza, será acima de dois dígitos. Ela hoje está em torno de 30% no primeiro semestre. Se estabilizar, chegaremos ao fm do ano com redução em torno de 20% ou 25%, concluiu.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212