Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Leis alteram nomes de vias que homenageiam símbolos do regime militar - Jornal Brasil em Folhas
Leis alteram nomes de vias que homenageiam símbolos do regime militar


A sanção de dois projetos de lei, na manhã de hoje (25), mudará o nome de duas vias com símbolos do regime militar na capital paulista. A iniciativa, do Programa Ruas de Memória, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), vai renomear o Elevado Costa e Silva – conhecido como Minhocão – e a Avenida Golbery do Couto e Silva.

O nome do Elevado Presidente Artur da Costa e Silva mudará para Elevado Presidente João Goulart. Artur da Costa e Silva foi responsável pelo Ato Institucional nº 5, que suspendeu uma série de garantias institucionais, enquanto João Goulart era o presidente do país na época do golpe militar.

A outra renomeação vai transformar a Avenida General Golbery do Couto e Silva para Avenida Giuseppe Benito Pegoraro. Golbery foi braço direito do primeiro presidente militar, Castelo Branco, e é apontado como um dos ideólogos do movimento político-militar que resultou no golpe de 64. Já Pegoraro, foi um padre italiano que teve forte atuação na região do Grajaú. Ele fundou o Centro de Promoção Social Bororé, que atende crianças e adolescentes carentes no Jardim Lucélia e região e que hoje é reconhecido com referência em lazer, educação e bem-estar comunitário.

Foi assinado ainda um decreto que institucionaliza o Programa Ruas de Memória e garante o caráter permanente da iniciativa. “O decreto se baseia tanto no Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade quanto no Programa Nacional de Direitos Humanos, que promovem o debate e a reflexão sobre logradouros e áreas públicas que homenageiam autoridades que cometeram crimes contra a humanidade”, disse a prefeitura, em nota.

Para propor alteração de nomes, o programa prevê um processo de mobilização na região específica para que o poder público possa ouvir a sociedade civil. A mobilização ocorre por meio de ações e visitas para discutir a história que o nome traz e fazer o processo de escolha dos novos nomes, informou o município.

“O programa prevê ainda que as denominações de logradouros novos privilegiem o Banco de Referências em Direitos Humanos, organizado pela SMDHC, com referências de todas suas áreas temáticas e das Secretarias de Políticas para Mulheres, Promoção da Igualdade Racial, Pessoa com Deficiência”.

Para o secretário municipal de Direitos Humanos, Felipe de Paula, falar em memória e verdade é permitir que a cidade conte sua própria história. “Cabe à cidade decidir quem serão as pessoas nas nossas ruas, e a cidade escolheu o lado certo da história”.

Outras propostas estão atualmente em tramitação na Câmara: o PL 411/15, que altera a denominação do Viaduto 31 de Março, data adotada pelos militares como “aniversário da Revolução”, para Therezinha Zerbini, ex-presa política e liderança na luta pela anistia. Também tramita o PL 410/15, que impede novas nomeações em homenagem a violadores de direitos humanos. Atualmente, a Lei de nº 15.717/2013 permite alterações de nomes de ruas que se enquadrem nestes casos, mas não rege sobre denominações futuras, informou a prefeitura.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212