Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ato em São Paulo lembra Dia Internacional da Mulher Negra - Jornal Brasil em Folhas
Ato em São Paulo lembra Dia Internacional da Mulher Negra


Centenas de mulheres participam, nesta segunda-feira (25), data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, de um ato para denunciar o racismo, o machismo, o genocídio e a lesbofobia. A manifestação começou na Praça Roosevelt e deve ser encerrada após uma caminhada pelo centro da capital paulista, no Largo do Paissandu.

Na Praça Roosevelt, as mulheres seguram faixas contra a violência e o racismo, pintam o rosto e fazem discursos para denunciar a violência e o racismo do qual são vítimas.

O ato também faz uma homenagem a Tereza de Benguela, líder do Quilombo Quariterê, que viveu no século 18 na região do atual estado de Mato Grosso. De acordo com documentos da época, o Quilombo Quariterê abrigava mais de 100 pessoas, sendo 79 delas negras e 30 indígenas.

A catadora de material reciclável Mara Lucia Sobral Santos, de 49 anos, disse que o ato de hoje tem várias formas de importância e de interpretação. Sou uma pessoa totalmente invisível na sociedade brasileira, uma pessoa que não existe na sociedade, por ser uma mulher negra, ter 26 filhos adotados, ser lésbica e catadora, disse ela à Agência Brasil. Para muitos eu sou invisível, mas hoje aqui eu tenho um nome, ressaltou Mara Lucia.

Para ela, o maior problema da mulher negra hoje no Brasil é a violência. A mulher negra sofre mais violência porque temos todo o histórico de escravidão, e as pessoas reproduzem isso.

Na opinião de Mara Lucia, a educação é fator importante para acabar com o racismo e o machismo no país. Não precisamos de escola, porque escola a gente tem. Precisamos de educação, de formação, de entendimento racial, de saber que somos privilegiados, ou não, que temos danos históricos e reparação histórica ao povo negro e ao povo indígena, que temos que fazer. Eu, como mulher negra, sei que o Brasil precisa de reparação histórica, e não de cotas, afirmou a catadora de material reciclável.

O Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha foi instituído, em 1992, no 1º Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, para dar visibilidade e reconhecimento à presença e à luta das mulheres negras neste continente.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212