Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ato em São Paulo lembra Dia Internacional da Mulher Negra - Jornal Brasil em Folhas
Ato em São Paulo lembra Dia Internacional da Mulher Negra


Centenas de mulheres participam, nesta segunda-feira (25), data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, de um ato para denunciar o racismo, o machismo, o genocídio e a lesbofobia. A manifestação começou na Praça Roosevelt e deve ser encerrada após uma caminhada pelo centro da capital paulista, no Largo do Paissandu.

Na Praça Roosevelt, as mulheres seguram faixas contra a violência e o racismo, pintam o rosto e fazem discursos para denunciar a violência e o racismo do qual são vítimas.

O ato também faz uma homenagem a Tereza de Benguela, líder do Quilombo Quariterê, que viveu no século 18 na região do atual estado de Mato Grosso. De acordo com documentos da época, o Quilombo Quariterê abrigava mais de 100 pessoas, sendo 79 delas negras e 30 indígenas.

A catadora de material reciclável Mara Lucia Sobral Santos, de 49 anos, disse que o ato de hoje tem várias formas de importância e de interpretação. Sou uma pessoa totalmente invisível na sociedade brasileira, uma pessoa que não existe na sociedade, por ser uma mulher negra, ter 26 filhos adotados, ser lésbica e catadora, disse ela à Agência Brasil. Para muitos eu sou invisível, mas hoje aqui eu tenho um nome, ressaltou Mara Lucia.

Para ela, o maior problema da mulher negra hoje no Brasil é a violência. A mulher negra sofre mais violência porque temos todo o histórico de escravidão, e as pessoas reproduzem isso.

Na opinião de Mara Lucia, a educação é fator importante para acabar com o racismo e o machismo no país. Não precisamos de escola, porque escola a gente tem. Precisamos de educação, de formação, de entendimento racial, de saber que somos privilegiados, ou não, que temos danos históricos e reparação histórica ao povo negro e ao povo indígena, que temos que fazer. Eu, como mulher negra, sei que o Brasil precisa de reparação histórica, e não de cotas, afirmou a catadora de material reciclável.

O Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha foi instituído, em 1992, no 1º Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, para dar visibilidade e reconhecimento à presença e à luta das mulheres negras neste continente.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio entrega título de Cidadã Goiana a cantora Joelma
Fundo Nacional do Idoso é aprovado na Câmara
Aval do TCU é suficiente para cessão onerosa, dizem técnicos da Corte
Acordo possibilitará investimentos privados em segurança pública
Vazamento de óleo afetará reprodução da fauna em mangue, diz ONG
Temer e Bolsonaro lamentam tragédia em Campinas
Jungmann coloca PF à disposição para apuração de caso de Campinas
Ministro da Cultura inicia comemorações aos 200 anos da independência

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212