Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rio, cidade olímpica,recebe exposição que percorre a história da arte brasileira - Jornal Brasil em Folhas
Rio, cidade olímpica,recebe exposição que percorre a história da arte brasileira


Abaporu, obra-prima do modernismo brasileiro, pintada em 1928 por Tarsila do Amaral, é uma das atrações da Exposição A Cor do Brasil, no Museu de Arte, Praça Mauá, zona portuária do Rio de Janeiro

Planejada para que sua realização coincidisse com o período em que a cidade receberá de 400 a 500 mil visitantes estrangeiros para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, a exposição A Cor do Brasil, aberta ao público hoje (2) no Museu de Arte do Rio (MAR), traça, de forma inédita, a trajetória da arte brasileira desde o período colonial até o século 21. A mostra reúne mais de 300 obras, pertencentes ao acervo de 12 instituições do Brasil, do México e da Argentina, entre elas ícones do modernismo, como as telas Abaporu (1928) e Antropofagia (1929), da pintora Tarsila do Amaral (1886-1973).

Hoje pertencente ao Museu de Arte Latino-americana de Buenos Aires (Malba) e considerada a tela mais valorizada da arte brasileira, o Abaporu retorna pela primeira vez à cidade, onde só foi exposta uma vez, na primeira metade do século 20. O verde-amarelo predominante nesta e em outras obras de Tarsila remetem à brasilidade defendida pelos artistas que participaram da Semana de Arte Moderna de 1922 e também à ideia central da exposição: como o Brasil lida na construção de sua arte com a cor.

“A cor tanto se relaciona às condições da própria história da arte quanto às condições da sociedade. É uma cor que é assumida pela sociedade, a ideia da bandeira do Brasil, a ideia da etnicidade. É a cor que o Brasil se orgulha de mostrar”, definiu Marcelo Campos, um dos curadores da exposição, juntamente com Paulo Herkenhoff.

Segundo Campos, o percurso proposto pela mostra é muito didático para visitantes, não só estrangeiros mas também brasileiros, que desconhecem ou têm pouca noção da arte produzida no país. “Para quem nunca viu, a exposição permite ter uma noção da grandiosidade, da grandiloquência da arte brasileira, que na verdade é uma das mais destacadas do mundo”, disse o curador.

O percurso está dividido em três galerias do museu. Na primeira, intitulada A transformação da luz e do ambiente ecológico em cor, a cronologia começa por retratos, paisagens e naturezas mortas, a partir de obras como as do holandês Frans Post, que pintou o nordeste do século 17, passa pelo melhor do impressionismo no Brasil, com destaque para Eliseu Visconti, e chega à mudança de conceito proposta pelo desafio lançado por Graça Aranha, que incentivou os artistas na transformação da luz em cor e do meio ambiente brasileiro em sensações plásticas.

Ainda na primeira sala, a cronologia segue para mostrar a modernidade de Tarsila, Anita Malfatti, Guignard, Goeldi, Portinari, Ismael Nery e Lasar Segall, entre outros. Na segunda galeria, Modernidade e Autonomia da Arte, estão diversos núcleos significativos, como o formado por Pancetti, Milton Dacosta e outros nomes, os concretistas e os neoconcretos – Lygia Clark, Franz Weissmann, Helio Oiticica, Lygia Pape, Aluisio Carvão – e os gestuais, como Bandeira, Shiró, Tomie Ohtake, Manabu Mabe e Iberê Camargo.

Na terceira e última sala, Opinião, Tropicália, Geração 80 e Cor do Século XXI, o foco se torna a Cor do Rio, a partir de movimentos artisticos ocorridos na cidade: as mostras Opinião e Tropicália, a Sala Experimental do MAM e a Geração 80. Para retratar o tema da cor nas últimas seis décadas, a mostra reúne obras de Anna Maria Maiolino, Antonio Dias, Carlos Vergara, Roberto Magalhães, Rubens Gerchmann, Wanda Pimental, Anna Bella Geiger, Katie van Scherpenberg e Tunga, entre outros.

Nessa galeria, a exposição chega ao século atual fazendo uma revisão da ideia do “nacional”, que tem na bandeira seu maior ícone. “Eu destaco o momento, para mim comovente, de como o artista brasileiro lida com a ideia da bandeira nacional, de vários modos. Desde uma caixa de engraxate a uma mãe que chora a perda do filho e leva uma pulseira com as cores do Brasil. Essa bandeira que muitas vezes não faz jus à grandiosidade de seu povo”, comentou o curador Marcelo Campos.

A Cor do Brasil fica em cartaz até 15 de janeiro de 2017, muito além, portanto, do período olímpíco, e pode ser vista de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. Os ingressos custam R$ 16 e R$ 8, a meia entrada para cariocas e residentes no Rio, mediante comprovação.

Não pagam entrada alunos e professores da rede pública, crianças até cinco anos e maiores de 60 e grupos em situação de vulnerabilidade social, desde que em visitas educativas. Às terças-feiras e no último domingo do mês, a entrada é gratuita para todos.

Espaço cultural da Prefeitura do Rio, o MAR fica na Praça Mauá, 5, no centro da cidade.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212