Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cancelada na Câmara votação do relatório sobre a tragédia de Mariana - Jornal Brasil em Folhas
Cancelada na Câmara votação do relatório sobre a tragédia de Mariana


A comissão externa da Câmara dos Deputados, criada para acompanhar e avaliar os desdobramentos do rompimento de barragem na região de Mariana (MG), cancelou hoje (2) a votação do relatório final do deputado Paulo Foletto (PSB-ES). Esta é a terceira vez que o colegiado cancela a votação do relatório. Ainda não foi marcada nova data para votar o parecer do relator.

O parecer de Folleto retoma o texto do relatório do deputado Sarney Filho (PV-MA), antigo relator na comissão e que está licenciado por ter assumido o Ministério do Meio Ambiente em maio. O parecer responsabiliza a empresa Samarco Mineração (controlada pela Vale e pela empresa anglo-australiana BHP Billiton) pela tragédia e suas consequências.

“A Samarco Mineração é, sem dúvida, responsável civil, penal e administrativamente pelo ocorrido, o que não isenta de suas próprias responsabilidades os órgãos de meio ambiente (Ibama e Semad/MG) e de fomento à mineração (DNPM), as entidades licenciadoras e fiscalizadoras da atividade mineral”, informou o relatório.

Legislação

O parecer propõe ainda alterações na legislação e na proposta de Código de Mineração em discussão na Câmara dos Deputados, com a “esperança de que a atividade minerária possa algum dia vir a incorporar as dimensões social e ambiental, juntamente com a econômica, para formar o tripé da sustentabilidade”, acrescentou o texto.

Ocorrido no dia 5 de novembro do ano passado, após o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, no município de Mariana e de propriedade da Samarco Mineração, o desastre derramou 34 milhões de metros cúbicos de lama sobre o vale de um subafluente do Rio Gualaxo do Norte, afluente do Rio do Carmo, que deságua no Rio Doce.

O rompimento da barragem matou 19 pessoas e deixou outras 1.640 desabrigadas. A lama decorrente do desatre percorreu mais de 600 km e chegou à foz do Rio Doce, no oceano Atlântico, matando a fauna e a flora da região e comprometendo o abastecimento de água de várias cidades do Espírito Santo e Minas Gerais.

Competência

O relatório destacou que, embora tenham sido executadas as ações emergenciais, o reassentamento das famílias atingidas continua suspenso, depois de decorridos seis meses do desastre.

“Eles aguardam uma decisão final sobre a competência jurídica para tratar do caso e continuam recebendo ações emergenciais e assistencialistas, sem perspectiva de quando poderão retomar suas vidas autonomamente”, concluiu o relatório.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212