Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Apreço de Trump por Putin alimenta debate eleitoral nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Apreço de Trump por Putin alimenta debate eleitoral nos EUA


Bromance, neologismo que descreve a amizade forte entre dois homens, é uma palavra na moda para definir a relação entre Donald Trump e Vladimir Putin.

Não há prova de que o presidenciável republicano e o presidente russo se conheçam ao vivo, mas não foram poucas as demonstrações públicas de afeto trocadas.

A proximidade da dupla voltou à tona após a campanha de Hillary Clinton acusar hackers russos de roubarem, a serviço do Kremlin, informações de computadores do Partido Democrata.

Nessa tese, a sabotagem seria deliberada: Trump na Casa Branca, afinal, seria música nos ouvidos de Putin, diz à Folha Paul Christensen, especialista em Rússia do Boston College.

O empresário já sugeriu que reconheceria a anexação da região ucraniana da Crimeia por Moscou em 2014 (ocupação retaliada pelos EUA com sanções econômicas). Depois, sob pressão, recuou e disse que, se fosse presidente, a Rússia não entraria na Ucrânia.

Ele também refutou o alinhamento automático a outros integrantes da Otan (a aliança militar ocidental) sob eventual ataque russo.

Sem a Otan forte, Putin fica de mãos livres para reconstituir o império soviético. Seria uma reversão total da política externa que os EUA adotam desde a Segunda Guerra, diz Kathleen Bailey, também do Boston College.

E tanto Trump quanto Putin negam ligação com o vazamento de e-mails citando dirigentes democratas em um suposto complô contra o ex-adversário de Hillary nas prévias, Bernie Sanders.

Combustível para o bromance político, contudo, existe, afirma Bailey. Trump parece nutrir grande admiração pelo autoritarismo do Putin decisivo e machão, em contraste ao desdém que tem pela abordagem mais suave do presidente Obama.

O russo, que tinha no ex-premiê italiano Silvio Berlusconi seu mais querido parceiro internacional, mostra apreço por Trump, a quem chamou de brilhante.

Já com Hillary nunca se deu bem: achava que ela, quando secretária de Estado, tentava interferir demais em Moscou. O período (2009-13) foi marcado por medidas anti-EUA, de proibir a adoção de bebês russos por americanos a expulsar a Usaid (agência americana para o desenvolvimento internacional).

AMIGOS E RIVAIS
A animosidade contra a Rússia está em alta e reflete na ficção. O vilanesco Viktor Petrov, presidente russo na série House of Cards, emula até o físico de Putin.

Para 48% dos americanos, a ex-rival da Guerra Fria tenta influenciar as eleições americanas, e cerca de 60% têm opinião desfavorável sobre Moscou, segundo pesquisa da CNN.

Para Christensen, mais instigante é a intimidade do estrategista-chefe de Trump, Paul Manafort, com o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovitch.

Tido como marionete do Kremlin, ele foi destituído em 2014, após uma aliança com os russos em detrimento da União Europeia deslanchar motins nacionais. Paul já o assessorou.

É importante saber se integrantes da campanha de Trump, ou ele próprio, têm conexões com a elite empresarial russa. Até porque é bem sabido que a elite russa não se mantém se não tiver boas relações com Putin.

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212