Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Coreia do Norte defende na África seu programa nuclear após sanções - Jornal Brasil em Folhas
Coreia do Norte defende na África seu programa nuclear após sanções


O vice-chanceler da Coreia do Norte, Sin Hong-chol, defendeu em Angola o programa de armas nucleares norte-coreano durante um giro pela África, aparentemente destinado a melhorar suas relações com os países da região, após receber fortes sanções da ONU, informou nesta terça-feira a agência local KCNA.

O vice-ministro das Relações Exteriores norte-coreano destacou que seu país avança para fortalecer a política Beongjin, que busca tanto o desenvolvimento econômico como a produção de armas nucleares, durante uma reunião com seu colega angolano Manuel Domingos Augusto, segundo a KCNA.

A defesa do programa nuclear norte-coreano em Angola pelo vice-chanceler é significativa, já que o país africano apresentou recentemente seu plano de ação para aplicar as sanções comerciais impostas em março pelo Conselho de Segurança da ONU ao regime de Kim Jong-un.

As sanções, que respondem aos últimos testes nuclear e de mísseis de longo alcance norte-coreanos, incluem restrições de compra e venda de combustível aeroespacial e de comércio por navio, além de inspeções de embarcações, algo que Angola teria se comprometido em seu plano de ação.

A agência de notícias norte-coreana também informou que o vice-chanceler se encontra em um giro por vários países africanos.

Um deles é a República Democrática do Congo, onde Sin se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, Jean-Claude Gakosso, e ambos decidiram aproximar as relações bilaterais, segundo a KCNA, que não mencionou se o tema das armas nucleares foi abordado entre os dois.

Pyongyang mantém relações diplomáticas com vários países africanos, entre eles os dois mencionados, Guiné, Burundi e Uganda.

Este último, aparentemente deu as costas a Pyongyang em junho, ao pedir que os 60 soldados e funcionários de segurança norte-coreanos que lá estavam abandonassem o país, o que a Coreia do Norte atribuiu a uma manobra política do governo da vizinha Coreia do Sul.

Quanto a Angola, que manteve vínculos de amizade com a Coreia do Norte nas últimas quatro décadas, o país nunca tinha apresentado até agora um relatório para a implementação de sanções contra seu parceiro asiático desde que a ONU começou a ditar resoluções em 2006.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212