Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Japoneses lembram bombardeio atômico de Nagasaki - Jornal Brasil em Folhas
Japoneses lembram bombardeio atômico de Nagasaki


Os japoneses lembraram nesta terça-feira o bombardeio atômico de Nagasaki, no sudoeste do Japão, que há 71 anos destruiu a cidade e provocou a morte de 74.000 pessoas.

Às 11h02 locais (23h02 de Brasília de segunda-feira), a hora exata em que a bomba explodiu em 9 de agosto de 1945, três dias depois do bombardeio atômico contra Hiroshima, um alarme soou e os habitantes de Nagasaki observaram imóveis um minuto de silêncio.

Na presença de representantes de dezenas de países, o prefeito da cidade, Tomohisa Taue, evocou a visita história realizada em maio deste ano pelo presidente americano, Barack Obama, a Hiroshima.

Até aquele momento nenhum presidente americano havia visitado nenhuma das duas cidades destruídas pelas bombas atômicas dos Estados Unidos no fim da guerra.

Com sua visita, o presidente mostrou ao mundo a importância de ver, ouvir e sentir as coisas diretamente, disse Taue.

Da visita, ficou gravada a forte imagem de Obama apertando a mão de um sobrevivente e dando um abraço em outro.

O prefeito de Nagasaki, que se opõe à política de Defesa do atual governo, que reforça as Forças Armadas japonesas, criticou as contradições do Japão.

O Japão propõe a abolição das armas nucleares, mas ao mesmo tempo se apoia na dissuasão nuclear através de sua aliança com os Estados Unidos, disse.

Taue convocou o governo a inscrever na lei os três princípios antinucleares adotados em 1967.

Trata-se dos princípios de não produção, não posse e não autorização em seu território de armas nucleares.

Tomihisa Taue também convocou as gerações jovens a ouvir o relato dos hibakusha (sobreviventes irradiados), cuja idade já supera os 80 anos.

Assim como em Hiroshima, no sábado passado, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, reafirmou a vontade do Japão de militar pela abolição das armas nucleares.

Jamais devemos deixar que se repitam as terríveis experiências de Hiroshima e Nagasaki, disse Abe.

A bomba de plutônio batizada de Fat Man estava destinada, a princípio, à cidade de Kokura, ao norte de Nagasaki, onde havia uma importante fábrica de armas.

Mas o bombardeiro B-29, batizado de Bockscar, mudou seu alvo no último minuto por razões meteorológicas.

Três dias antes, a bomba de urânio Little Boy havia destruído Hiroshima, provocando a morte de 140.000 pessoas, a metade delas na hora.

As duas bombas atômicas lançadas pelos americanos precipitaram a capitulação do Japão no dia 15 de agosto de 1945 e, de fato, o fim da Segunda Guerra Mundial.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE