Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Arquivos dos EUA sobre ditadura argentina citam Brasil e aliança entre militares - Jornal Brasil em Folhas
Arquivos dos EUA sobre ditadura argentina citam Brasil e aliança entre militares


No início de 1977, o Brasil teria tentado unir as ditaduras do Cone Sul para enfrentar a nova politica de direitos humanos implementada pelo presidente dos Estados Unidos na época, Jimmy Carter. A iniciativa fracassou porque, segundo Robert Pastor, que integrava o Conselho de Segurança Nacional norte-americano, a desconfiança entre os ditadores sul-americanos era maior do que o desprezo que sentiam por Carter.

A análise está em um memorando assinado por Pastor em agosto de 1978, um dos 1.081 arquivos secretos dos Estados Unidos desclassificados a pedido do governo argentino, que começou a divulgá-los hoje (9). A promessa de entregar documentos que possam ajudar a esclarecer os crimes cometidos nos sete anos da ditadura argentina (1976-1983) foi feita pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em março deste ano, quando visitou Buenos Aires.

O norte-americano passou pela capital argentina às vésperas do aniversario dos 40 anos do golpe militar de 1976, causando mal estar entre os organismos de direitos humanos.

Amigos e parentes dos 30 mil desaparecidos da ditadura argentina ainda estão processando os responsáveis pelos crimes do regime militar, que chegou ao poder com o apoio dos Estados Unidos. Obama prometeu que abriria arquivos classificados, que podem ajudar na reparação dos erros do passado.

Os documentos abrangem o período de 1977-1980, durante o governo de Jimmy Carter. Ao contrário de seus antecessores, que apoiaram ditaduras na América Latina para conter o avanço do comunismo e preservar os interesses dos Estados Unidos na região, Carter adotou uma politica de defesa dos direitos Humanos e fez pressão pela abertura democrática.

Cartas

Entre os documentos tornados públicos nesta terça, estão cartas de Carter ao então ditador argentino, general Jorge Rafael Videla, pedindo a libertação de uma família detida. Outros arquivos mostram a visão do governo norte-americano em relação às ditaduras da época – como o memorando de Robert Pastor. Nele, o funcionário explica que os Estados Unidos não corriam o risco de perder terreno na América Latina por defenderem a abertura democrática.

“Durante um curto período, no início de 1977, os países do Cone Sul – Brasil, Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai – tentaram estabelecer um bloco para confrontar nossa politica de direitos humanos”, escreveu Pastor. “Como esses governos desconfiavam uns dos outros, mais do que eles desprezavam o presidente Carter, o movimento não decolou”, avaliou, na época.

Pastor descreve Argentina, Brasil e Chile como “países grandes, com governos extremamente autoritários e ultraconservadores”, cuja visão limitada os levou a confrontos regionais “mesquinhos”. Como exemplo, o funcionário norte-americano citou a disputa entre Argentina e Chile pelo Canal de Beagle, que quase terminou em guerra. E também a briga entre argentinos e brasileiros por causa da construção de hidrelétricas na fronteira com o Paraguai.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212