Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Arquivos dos EUA sobre ditadura argentina citam Brasil e aliança entre militares - Jornal Brasil em Folhas
Arquivos dos EUA sobre ditadura argentina citam Brasil e aliança entre militares


No início de 1977, o Brasil teria tentado unir as ditaduras do Cone Sul para enfrentar a nova politica de direitos humanos implementada pelo presidente dos Estados Unidos na época, Jimmy Carter. A iniciativa fracassou porque, segundo Robert Pastor, que integrava o Conselho de Segurança Nacional norte-americano, a desconfiança entre os ditadores sul-americanos era maior do que o desprezo que sentiam por Carter.

A análise está em um memorando assinado por Pastor em agosto de 1978, um dos 1.081 arquivos secretos dos Estados Unidos desclassificados a pedido do governo argentino, que começou a divulgá-los hoje (9). A promessa de entregar documentos que possam ajudar a esclarecer os crimes cometidos nos sete anos da ditadura argentina (1976-1983) foi feita pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em março deste ano, quando visitou Buenos Aires.

O norte-americano passou pela capital argentina às vésperas do aniversario dos 40 anos do golpe militar de 1976, causando mal estar entre os organismos de direitos humanos.

Amigos e parentes dos 30 mil desaparecidos da ditadura argentina ainda estão processando os responsáveis pelos crimes do regime militar, que chegou ao poder com o apoio dos Estados Unidos. Obama prometeu que abriria arquivos classificados, que podem ajudar na reparação dos erros do passado.

Os documentos abrangem o período de 1977-1980, durante o governo de Jimmy Carter. Ao contrário de seus antecessores, que apoiaram ditaduras na América Latina para conter o avanço do comunismo e preservar os interesses dos Estados Unidos na região, Carter adotou uma politica de defesa dos direitos Humanos e fez pressão pela abertura democrática.

Cartas

Entre os documentos tornados públicos nesta terça, estão cartas de Carter ao então ditador argentino, general Jorge Rafael Videla, pedindo a libertação de uma família detida. Outros arquivos mostram a visão do governo norte-americano em relação às ditaduras da época – como o memorando de Robert Pastor. Nele, o funcionário explica que os Estados Unidos não corriam o risco de perder terreno na América Latina por defenderem a abertura democrática.

“Durante um curto período, no início de 1977, os países do Cone Sul – Brasil, Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai – tentaram estabelecer um bloco para confrontar nossa politica de direitos humanos”, escreveu Pastor. “Como esses governos desconfiavam uns dos outros, mais do que eles desprezavam o presidente Carter, o movimento não decolou”, avaliou, na época.

Pastor descreve Argentina, Brasil e Chile como “países grandes, com governos extremamente autoritários e ultraconservadores”, cuja visão limitada os levou a confrontos regionais “mesquinhos”. Como exemplo, o funcionário norte-americano citou a disputa entre Argentina e Chile pelo Canal de Beagle, que quase terminou em guerra. E também a briga entre argentinos e brasileiros por causa da construção de hidrelétricas na fronteira com o Paraguai.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212