Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cerca de 40% dos jovens do 9º ano consomem doces em mais de 5 dias por semana - Jornal Brasil em Folhas
Cerca de 40% dos jovens do 9º ano consomem doces em mais de 5 dias por semana


Problema de saúde pública cada vez mais preocupante entre os adolescentes, a má alimentação foi registrada também nos hábitos dos estudantes brasileiros. De acordo com os dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - Pense 2015 -, divulgada hoje (26), dos cerca de 2,6 milhões de estudantes que cursavam o 9º ano do ensino fundamental em 2015, 41,6% consumiam guloseimas cinco dias ou mais em uma semana normal.

Mais da metade desses estudantes (61,5%) informou comer raramente ou nunca a comida ofertada pela escola gratuitamente, com alimentos saudáveis. Em 54% de escolas públicas, há cantinas ou ponto alternativo de venda, onde são vendidos alimentos considerados pouco nutritivos e inadequados. Na rede privada, esse percentual atinge 92%.

O estudo aponta que o principal motivo para esse excesso de doces na dieta dos adolescentes é a ausência de uma normativa nacional que regule a venda desse tipo de alimento no ambiente escolar.

Para a pediatra Mônica de Araújo Moretzsohn, do Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), restringir a alimentação inapropriada nas escolas é fundamental para diminuir a obesidade e doenças associadas à alimentação inadequada.

“O baixo custo, o gosto, porque as crianças tendem a preferir sabores mais doces e a facilidade de acesso, contribuem para o aumento do consumo desses alimentos. E isso tem levado a uma séria de consequências ruins, diabetes, e hipertensão, além do aumento de peso”, disse ela.

Regulamentação da venda de alimentos

“[É preciso] regulamentar a venda de alimentos nas escolas para diminuir a prevalência de crianças obesas, além de orientar a respeito de alimentação mais adequada e conscientização das famílias e dos comerciantes”, afirmou Mônica.

Ela citou uma pesquisa inglesa que constatou que a proibição de refrigerantes nas escolas britânicas reduziu em 40% a prevalência da obesidade no ambiente escolar.

Cerca de 58,5% dos alunos de escolas públicas podem comprar refrigerantes e 63,7% podem adquirir salgadinhos industrializados. Na rede privada, esses percentuais são respectivamente, 62,3%, 70,6% e 60%. E mais: 49,7% desses alunos estudam em escolas públicas onde há venda de balas, confeitos, doces, chocolates, sorvetes e outros,

A pesquisa Pense 2015 aponta, ainda, que entre os estudantes de 16 a 17 anos de idade estão as maiores proporções dos que fazem refeições em fast-food (16,7%) e os menores percentuais daqueles que costumam almoçar ou jantar com pais (61,4%).

Mônica, que trabalha no ambulatório de obesidade do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, explicou que a má alimentação influencia no ganho de peso, que, por sua vez, prejudica a saúde mental das crianças. “A maioria das crianças obesas é vítima de bullying não apenas na escola como também em casa. E isso provoca muito sofrimento, causa dor, provoca isolamento e piora a auto-estima. E quanto mais tempo a criança se mantém muito acima do peso, maior a possibilidade de se tornar um adulto obeso.

Bullying e insegurança com a aparência

Quase 195 mil alunos do 9º ano (7,4%) afirmaram ter sofrido bullying por parte de colegas de escola, na maior parte do tempo ou sempre. Entre os alunos que se sentiram humilhados alguma vez nos 30 dias anteriores à pesquisa, os principais motivos foram a aparência do corpo (15,6%) e do rosto (10,9%). Por outro lado, 19,8% disseram já ter praticado bullying. Dentre os meninos, esse percentual foi de 24,2% e, entre as meninas, 15,6%.

Em 2015, 72% dos estudantes do 9º ano estavam satisfeitos ou muito satisfeitos com o próprio corpo (1,9 milhão), mas 18,3% (481,4 mil) consideravam-se gordos ou muitos gordos. Enquanto 11,6% dos meninos se sentiam insatisfeitos ou muito insatisfeitos com o próprio corpo, o dobro das meninas tinha o mesmo sentimento (23,3%).

Em 2015, 7% dos estudantes do 9º ano (184,2 mil) haviam induzido o vômito ou tomado laxantes nos últimos 30 dias para emagrecer ou evitar ganhar peso. O percentual de estudantes que acumulou 300 minutos ou mais com atividades físicas praticadas por semana (considerados fisicamente ativos) passou de 30,1% em 2012 para 34,4% em 2015.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212