Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Omissão dos cidadãos contribui com a violência homofóbica, diz coordenador - Jornal Brasil em Folhas
Omissão dos cidadãos contribui com a violência homofóbica, diz coordenador


O coordenador do programa estadual Rio sem Homofobia (RSH), Cláudio Nascimento, disse hoje (14) que a omissão das testemunhas da agressão a uma travesti, no último domingo (11), na zona oeste do Rio de Janeiro, contribuiu para que a violência ocorresse.

“São cenas impressionantes de violência bárbara e homofóbica. Três homens agredindo a travesti e a irmã dela, e o pior, com várias pessoas ao redor sem fazer nada. Choca demais. Temos inúmeros casos de violência homofóbica acontecendo e o fato de a população apenas discordar disso não ajuda a vítima. Quem presenciar alguma ação do tipo, tem que procurar apoio. Entendemos que, em muitos casos, a intervenção não se dá pelo temor de sua própria segurança, mas quando esse for o cenário, que a pessoa se desloque e ligue para um policial, ou procure um por perto. O que não cabe é ficar parado assistindo”, disse.

Segundo Cláudio Nascimento, é possível denunciar casos de homofobia por meio do Disque Cidadania LGBT, que funciona pelo número 0800 0234 567. O coordenador disse que conversou com o delegado Daniel Mayr, responsável pela ocorrência, e que as autoridades estão tratando o caso como violência homofóbica. Nascimento classificou como importante o parecer da polícia já que, segundo ele, muitos delegados têm dificuldade em tratar casos como esse.

“Eu venho tendo um diálogo com o Mayr e ele está tratando o caso como violência homofóbica. Isso é importante, pois muitos delegados atualmente têm dificuldade de ter essa sensibilidade, de assumir que o caso envolve esse fator motivacional. As investigações vão continuar, segundo o delegado, e eu, assim como toda a sociedade, espero uma resposta firme do Estado”.

De acordo com o coordenador do Rio sem Homofobia, a travesti encontra-se fisicamente bem, na medida do possível, mas muito abalada psicologicamente. “Está traumatizada demais, muito triste e preocupada com a família. Estamos dando todo o suporte a ela. Já teve atendimento médico e está se comportando bem. Veremos se ela necessitará de alguma cirurgia, embora tenha rechaçado a possibilidade. De todo modo, estaremos de perto para ajudá-la em um momento delicado como este”, concluiu.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212