Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Papa e líderes religiosos mundiais prometem se opor ao terror em nome de Deus - Jornal Brasil em Folhas
Papa e líderes religiosos mundiais prometem se opor ao terror em nome de Deus


O papa Francisco e líderes de outras religiões globais disseram “Não à Guerra!” nesta terça-feira, prometendo se opor ao terrorismo em nome de Deus e fazendo um apelo aos políticos para que escutem o que foi chamado de “o grito angustiado de tantos inocentes”.

O papa voou de helicóptero para a cidade no centro da Itália que foi casa de São Francisco, o santo do século 13 reverenciado por muitas religiões como um patrono da paz e da natureza e um defensor do pobre.

O líder da Igreja Católica encerrou uma reunião de três dias em que cerca de 500 representantes do cristianismo, islamismo, judaísmo, budismo, hinduísmo e outras religiões discutiram como os seus membros poderiam melhor promover a paz e a reconciliação.

O papa Francisco, que fez dois discursos e compartilhou refeições com os líderes, afirmou que a indiferença ao sofrimento havia se tornado “um novo e profundamente triste paganismo” que leva alguns a dar as costas para vítimas de guerra e refugiados com a mesma facilidade com que muda o canal da TV.

Perto do final do encontro, integrantes de cada religião rezaram em localidades separadas e então se juntaram numa praça do lado de fora da famosa basílica onde São Francisco foi sepultado.

Orações foram dedicadas às vítimas de guerras, incluindo na Síria e no Afeganistão, e para os refugiados que fogem dos conflitos. Uma refugiada de Aleppo que mora na Itália disse ao papa ao final que o coração dela estava “aos pedaços”.

“Somente a paz é sagrada, e não a guerra”, disse o papa nascido na Argentina.

ABUSO DA RELIGIÃO

O papa Francisco, líder dos 1,2 bilhão de católicos no mundo, rezou na basílica com Justin Welby, arcebispo de Canterbury, líder espiritual dos 80 milhões de anglicanos no mundo, e o com o patriarca Bartolomeu, líder espiritual de até 300 milhões de cristãos ortodoxos em todo o globo.

Num apelo final que representantes chaves assinaram e deram a crianças de vários lugares do mundo, eles prometeram “se opor a qualquer forma de violência e abuso da religião que busca justificar a guerra e o terrorismo”.

Não à guerra! Que o grito angustiado de muitos inocentes não seja ignorado. Vamos pedir aos líderes dos países para desarmar as causas da guerra: a cobiça por poder e dinheiro, a ganância dos negociadores de armas, interesses pessoais e disputas por erros do passado”, afirmou o apelo.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212