Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Petrobras anima com plano de repaginação - Jornal Brasil em Folhas
Petrobras anima com plano de repaginação


SÃO PAULO - A Petrobras (PETR3;PETR4) deu um novo passo sobre a companhia que quer ser na manhã desta terça-feira (20) com a apresentação do Plano Estratégico para 2017-2021. A mensagem que a companhia transmitiu foi: vamos cortar investimentos, fazer mais parcerias e realizar desinvestimentos, de forma a diminuir a forte alavancagem, que tanto vem penalizando a estatal nos últimos anos.

Contudo, isso não quer dizer que as metas sejam comprometidas, ressaltou a estatal durante coletiva para detalhar o plano. A Petrobras prevê investir US$ 74,1 bilhões entre 2017 e 2021, uma queda de 25% em relação ao Plano de Negócios e Gestão 2015-2019, revisado em janeiro deste ano; já a meta de desinvestimentos foi para US$ 19,5 bilhões de dólares para o biênio de 2017 e 2018, ante US$ 15,1 bilhões projetados em vendas de ativos entre 2015-2016.

O presidente da estatal, Pedro Parentes, explicou que o plano trabalho vai contemplar diferentes cenários. “Nos primeiros dois anos estaremos apertando o passo para alcançar a saúde financeira e assim antecipando a nossa meta de endividamento em dois anos. A partir destes dois anos recuperamos o crescimento da nossa curva de produção, registrando crescimentos mas operando de forma disciplinada e equilibrada”, disse.

Conforme ressaltou em coletiva o diretor de estratégia, Nelson Silva, o plano de negócios da companhia está integrada ao estratégico: os quatro pilares de geração de valor são os preços competitivos, eficiência do investimento e do Opex e as parcerias, disse. O plano, aliás, agradou o mercado, e as ações PN da estatal chegaram a subir 4,44% na máxima do dia.

Contudo, à medida que a petrolífera buscou passar confiança sobre seu futuro, o que foi visto como muito positivo pelos analistas, também indicou a quantidade de desafios que ela terá pela frente. A empresa passou a mensagem certa, com um forte foco na desalavancagem. Nós pensamos que a gestão atual (comandada por Pedro Parente) está puxando os pontos certos para isso, tal como: i) eficiência do capex (despesas de capital), ii) redução de custos e ii) desinvestimentos, ao invés de recorrer aos pressupostos macroeconômicos, ressalta o Credit Suisse.

Os analistas do banco suíço André Natal e Regis Cardoso reforçam ainda que o forte corte nos investimentos é baseado na eficiência devido à menor perfuração e também por conta da alienação de ativos.

Já sobre a meta de produção, o Credit reforça que, mesmo com a significativa redução do capex, ela só se estendeu um pouco ao longo do tempo. O novo plano possui meta de produção de 2,77 milhões de bpd (barris por dia) em 2021, enquanto o plano anterior 2015-2019 estabeleceu um nível similar de produção já em 2020. Porém, neste ponto, os analistas estão tendo as maiores dúvidas. Em nossa opinião, o maior ponto de interrogação sobre o plano é sobre quão arriscada é esta nova meta de produção tendo em visto o capex mais baixo e as plataformas em novas áreas, como Búzios, onde a Petrobras pode não alcançar os mesmos níveis de produtividade que alcançou em Lula e Sapinhoá. Mais uma vez, a execução será fundamental, apontam eles.

Já o BTG Pactual, em relatório chamado - o Plano parece bom...agora é hora de executar - mostra maior otimismo destacando que, com as mudanças em potencial das regras de conteúdo local e novas explorações, a empresa deve alcançar suas metas de capex e produção.

Desinvestimentos Além da desalavancagem, um dos principais pilares do novo plano de negócios é a alienação de ativos. As vendas de ativos e parcerias somam US$ 19,5 bilhões entre 2017-2018, acima dos US$ 15,1 bilhões projetados para 2015-2016. Destes, US$ 10,7 bilhões ainda não foram anunciados.

Este é mais um ponto de interrogação para o Credit. Depois de entregar cerca de US$ 4,4 bilhões em desinvestimentos até agora, nós gostaríamos de ver uma divulgação mais detalhada sobre o caminho para atingir tal meta agressiva de desinvestimentos, apontam os analistas do banco. Este plano implica um nível de desinvestimento desafiador de US$ 34,6 bilhões, e eles terão que recorrer também aos desinvestimentos de exploração e produção.

Por outro lado, há espaço para surpresas positivas, aponta o BTG. Segundo os analistas Antonio Junqueira, Gustavo Castro e Andres Cardona, a combinação de menor investimentos com orientação de produção mantida pode ter sido influenciado pela expectativa de uma melhor regulação de conteúdo local, como já destacado acima. Porém, outras alterações às regras existentes não impactaram o plano, como a revisão da transferência de direitos em campos de petróleo, que pode levar a busca por novos parceiros, além da revisão de lei do pré-sal. Todas essas mudanças representam um catalisador para o plano da Petrobras, apontam os analistas do BTG.

O Credit também apontou as premissas da Petrobras no plano, como o preço do petróleo a US$ 71 o barril no longo prazo e um dólar a R$ 3,55 em 2017 e R$ 3,78 em 2021. Os dois pressupostos juntos, considerando que a empresa seguirá a paridade de importação para os preços dos derivados de petróleo no Brasil, significa que empresa prevê a necessidade de aumentar os preços no mercado interno em algum momento no futuro. Em nossa opinião, a expectativa de que o atual prêmio dos preços de combustíveis se transformará em déficit leva à conclusão de que a empresa vai segurar os preços atuais por mais tempo, apesar da recente perda de cota de mercado, o que também é bom, concluem os analistas.

Assim, os próximos anos para a companhia prometem ser bastante determinantes para mostrar uma Petrobras repaginada. Contudo, os desafios também estão na mesma direção.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212