Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estabilização de casos de Alzheimer em países ricos traz esperança - Jornal Brasil em Folhas
Estabilização de casos de Alzheimer em países ricos traz esperança


A estabilização do número de casos de Alzheimer e doenças afins nos países desenvolvidos lança uma luz de esperança ante essa patologia devastadora que ainda não tem cura.

A tendência, inesperada em um contexto de previsões alarmistas, é observada particularmente para a taxa de novos casos na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, segundo estudos recentes.

A baixa incidência (taxa de novos casos) da doença de Alzheimer e de tipos de demências afins em pessoas maiores de 65 anos é uma tendência nítida, afirma o epidemiologista Philippe Amouyel, do Instituto Pasteur-CHRU, em Lille, no norte da França.

A quantidade total de casos deverá aumentar, porém, considerando-se a quantidade cada vez maior de pessoas que vivem mais tempo, graças ao aumento da expectativa de vida.

Limitamos o fluxo, mas sem conseguir detê-lo, afirma David Reynolds, da associação britânica Alzheimers Research UK (Aruk).

Os custos econômicos e sociais das demências chegam a US$ 818 bilhões em nível mundial e não estão perto de diminuir, segundo o relatório de 2015 dos especialistas da federação Alzheimer Disease International (ADI).

Vinculado ao envelhecimento, o Mal de Alzheimer é a causa mais comum de demência, sendo responsável por entre 60% e 70% dos casos. A demência vascular é a segunda causa. No entanto, a associação dessas duas doenças é comum, de acordo com especialistas.

A doença de Alzheimer leva a uma deterioração da memória e de outras faculdades intelectuais e, progressivamente, a uma perda de autonomia.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), há cerca de 47,5 milhões de pessoas com demências no mundo, e 7,7 milhões de novos casos todos os anos - ou seja, um a cada quatro segundos.

Palavras cruzadas, sudoku e jardinagem

O Reino Unido, um dos países analisados na pesquisa (que também incluiu Espanha, Suécia, Holanda, entre outros), registrou uma queda de 20% da taxa de incidência global da demência por mais de duas décadas.

Segundo um estudo publicado em abril passado na revista científica Nature Communications, o país contava com 209.000 casos novos em 2015 - muito abaixo dos 251.000 apontados em previsões de 1991.

Mais de 100 anos depois da identificação do Mal de Alzheimer, ainda não existe um tratamento que permita curá-lo, ou frear sua evolução.

As causas da doença, que implica o aparecimento de proteínas anormais no cérebro, continuam sendo objeto de debate. Estudos recentes sugeriram que a poluição poderia ser um dos responsáveis.

Entre as hipóteses que podem explicar essa estabilização da taxa de demências, está uma melhoria da qualidade de vida e da educação, assim como uma redução dos riscos cardiovasculares, devido ao avanço de tratamentos para hipertensão e colesterol alto.

Qualquer coisa que ajuda a reduzir o risco cardiovascular parece ser benéfica, como a atividade física, uma alimentação saudável nos moldes da dieta mediterrânea e não fumar, resume Amouyel.

Além disso, de acordo com alguns estudos, tudo que faz o cérebro trabalhar, como estudos superiores, ou atividades como palavras cruzadas, sudoku, leitura, jardinagem, trabalhos manuais, assim como o fato de não viver isolado, contribuem para reduzir o risco de demência.

Enquanto isso, outros desenvolvimentos podem inverter a tendência, como a progressão da diabetes, a obesidade e o sedentarismo, alertam especialistas poucos dias antes do Dia Mundial do Alzheimer, nesta quarta-feira (21).

Em nível mundial, o número de casos de demência pode chegar a 75,6 milhões, em 2030, e a 135 milhões, em 2050, um aumento alimentado particularmente por países de baixa e média renda, segundo a OMS.

Isso se deve a um aumento das doenças cardiovasculares e da obesidade, assim como de uma ampliação acelerada da expectativa de vida nesses países. De acordo com o especialista francês, eles já representam mais da metade dos casos de demência em todo o mundo.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212