Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MP fala em crime político e busca mandante de atentado em Goiás - Jornal Brasil em Folhas
MP fala em crime político e busca mandante de atentado em Goiás


O Ministério Público de Goiás e a Polícia Civil vão apurar o envolvimento de outros políticos no atentando a tiros que matou nesta quarta-feira o ex-prefeito de Itumbiara Zé Gomes (PTB), novamente candidato à prefeitura, durante uma carreata na cidade. A principal suspeita é que o crime tenha sido encomendado por adversários de Gomes.

“Com certeza houve motivação política”, disse a VEJA o promotor de Justiça Clayton Korb Jarczewki, responsável pelas eleições na cidade. “Esse é um problema político local. Pelo perfil do criminoso, pelo modus operandi, é possível que tenha sido um crime sob encomenda. Nós temos essa linha de investigação que deve chegar a outros políticos locais.”

No ataque a tiros, também morreu o cabo da PM Vanilson João Pereira, que fazia a escolta do governador em exercício José Eliton (PSDB) – vice do tucano Marconi Perillo, ele levou dois tiros na região do abdômen e foi operado no hospital da cidade. Perillo estava em viagem aos Estados Unidos. Para o promotor, que acompanha as investigações, o vice-governador não era alvo do ataque e foi alvejado pelos disparos por estar ao lado do candidato a prefeito. O autor dos disparos também foi morto por policiais que faziam a segurança do vice.

A Polícia Civil já descobriu que o atirador agiu sozinho na cena do crime. Segundo o promotor, Gilberto Ferreira do Amaral, de 53 anos, dirigiu um Fiat Siena preto com placa fria, registrada em Curitiba, até encontrar a carreata, que vinha na direção contrária em uma avenida de Itumbiara. Ele então desceu do carro e correu em direção à caminhonete com a pistola em punho. Ao se aproximar, reconheceu um policial militar sem farda que corria ao lado da picape e atirou. Em seguida abriu fogo contra Zé Gomes (PTB) e acabou por atingir também o vice-governador.

Funcionário da prefeitura, Gilberto Ferreira do Amaral teria ocupado inclusive cargos em comissão e também já havia trabalhado em delegacias da cidade – portanto, conhecia os policiais. No Portal da Transparência da prefeitura, ele tem registro como pedreiro admitido em 1998 e servidor de carreira. O Ministério Público investiga se ele trabalhava na campanha de um vereador da cidade. A Polícia Civil já começou a ouvir testemunhas. O foco da apuração é desvendar pessoas vinculadas ao atirador que teriam relação com o crime.

 

Últimas Notícias

Saúde libera recursos para atender moradores da região de Brumadinho
Justiça determina prisão preventiva de acusado de espancar paisagista
Irmão de mulher espancada diz que ainda está chocado com a violência
Flamengo pede mais prazo para decidir sobre indenização de vítimas
Profissionais que atuaram em Brumadinho serão monitorados
Auditores descobrem 158 Kg de cocaína na fronteira com a Bolívia
Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
Bolsonaro irá ao Congresso entregar texto da reforma da Previdência

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212