Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MP fala em crime político e busca mandante de atentado em Goiás - Jornal Brasil em Folhas
MP fala em crime político e busca mandante de atentado em Goiás


O Ministério Público de Goiás e a Polícia Civil vão apurar o envolvimento de outros políticos no atentando a tiros que matou nesta quarta-feira o ex-prefeito de Itumbiara Zé Gomes (PTB), novamente candidato à prefeitura, durante uma carreata na cidade. A principal suspeita é que o crime tenha sido encomendado por adversários de Gomes.

“Com certeza houve motivação política”, disse a VEJA o promotor de Justiça Clayton Korb Jarczewki, responsável pelas eleições na cidade. “Esse é um problema político local. Pelo perfil do criminoso, pelo modus operandi, é possível que tenha sido um crime sob encomenda. Nós temos essa linha de investigação que deve chegar a outros políticos locais.”

No ataque a tiros, também morreu o cabo da PM Vanilson João Pereira, que fazia a escolta do governador em exercício José Eliton (PSDB) – vice do tucano Marconi Perillo, ele levou dois tiros na região do abdômen e foi operado no hospital da cidade. Perillo estava em viagem aos Estados Unidos. Para o promotor, que acompanha as investigações, o vice-governador não era alvo do ataque e foi alvejado pelos disparos por estar ao lado do candidato a prefeito. O autor dos disparos também foi morto por policiais que faziam a segurança do vice.

A Polícia Civil já descobriu que o atirador agiu sozinho na cena do crime. Segundo o promotor, Gilberto Ferreira do Amaral, de 53 anos, dirigiu um Fiat Siena preto com placa fria, registrada em Curitiba, até encontrar a carreata, que vinha na direção contrária em uma avenida de Itumbiara. Ele então desceu do carro e correu em direção à caminhonete com a pistola em punho. Ao se aproximar, reconheceu um policial militar sem farda que corria ao lado da picape e atirou. Em seguida abriu fogo contra Zé Gomes (PTB) e acabou por atingir também o vice-governador.

Funcionário da prefeitura, Gilberto Ferreira do Amaral teria ocupado inclusive cargos em comissão e também já havia trabalhado em delegacias da cidade – portanto, conhecia os policiais. No Portal da Transparência da prefeitura, ele tem registro como pedreiro admitido em 1998 e servidor de carreira. O Ministério Público investiga se ele trabalhava na campanha de um vereador da cidade. A Polícia Civil já começou a ouvir testemunhas. O foco da apuração é desvendar pessoas vinculadas ao atirador que teriam relação com o crime.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212