Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 América Latina atônita pede que a Colômbia mantenha os esforços de paz - Jornal Brasil em Folhas
América Latina atônita pede que a Colômbia mantenha os esforços de paz


A América Latina lamentou a rejeição dos eleitores colombianos ao acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), mas líderes regionais pediram que Bogotá continuasse os esforços para terminar com o mais longo conflito nas Américas.

Países da região se envolveram bastante na elaboração do plano para terminar com os 52 anos de conflito. Havana recebeu negociações de paz que duraram quatro anos, enquanto Chile, Cuba e Venezuela atuaram como avalistas e observadores.

Da Venezuela, governada pela esquerda, ao Peru, comandando pela centro-direita, países lamentaram o resultado do referendo de domingo, quando o voto “não” ganhou por menos do que meio ponto percentual.

“Muito infelizmente, ontem uma minoria se expressou, devido a ataques dos meios de comunicação, guerra psicológica e guerra de propaganda”, disse a ministra do Exterior da Venezuela, Delcy Rodríguez, chamando a votação de “inacreditável”.

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, alertou que “será muito difícil renegociar” o acordo de paz.

Outros na região, incluindo os governos de centro-direita de Argentina e do Brasil, afirmaram que apoiariam a retomada do plano de paz, como os dois lados em guerra disseram que iriam.

“Consideramos que não se deve desistir da causa da paz no país. Nesse sentido, encorajamos o governo, as Farc e todas as forças políticas da Colômbia a prosseguirem na busca de uma solução pacífica para esse conflito de meio século que tanto sofrimento causou ao povo colombiano”, disse o Ministério das Relações Exteriores brasileiro em comunicado, se dizendo disposto a ajudar.

Colombianos que votaram contra o acordo apresentado pelo presidente de centro-direita Juan Manuel Santos afirmam que ele era muito leniente com os rebeldes das Farc ao permitir que eles se reintegrassem à sociedade, formassem um partido político e não cumprissem pena da prisão.

Os estrangeiros celebram o acordo de paz sem entender as suas implicações, dizem eles.

O conflito matou cerca de 220 mil pessoas, expulsou milhões de suas casas e viu atrocidades de todos os lados.

No entanto, numa região bastante polarizada politicamente, houve os que celebraram a derrota do acordo.

Na vizinha Venezuela, muitos na oposição estavam chocados com o acordo, que segundo eles dava impunidade às Farc e dava ao presidente Nicolás Maduro e ao líder de Cuba, Raúl Castro, uma vitória política.

“Se as conversas entre o governo da Colômbia e a guerrilha narcoterrorista forem retomadas, elas devem excluir os cubanos do processo”, afirmou Henry Ramos, presidente da Congresso venezuelano.

(Reportagem de Alexandra Ulmer e Diego Ore em Caracas, Mitra Taj em Lima, Caroline Stauffer em Buenos Aires, Lisandra Paraguassu em Brasília, Alexandra Valencia em Quito, Adriana Barrera e Anahi Rama em Cidade do México)

 

Últimas Notícias

Receita cria chat para regularizar débitos de pessoas físicas
MP facilita registro de empresas nas juntas comerciais
Mudança em servidor foi a causa de instabilidade ontem, diz Facebook
Corte de pessoal gera economia de R$ 200 milhões, afirma presidente
TCU pede informações antes de decidir sobre leilão de ferrovia
Leilão de aeroportos testa novo modelo em blocos
Pretendentes já ofertaram R$ 2,3 bi no leilão de aeroportos
Aeroportos foram arrematados com ágio médio de 986%

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212