Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Temer se encontra com presidentes de Argentina e Paraguai - Jornal Brasil em Folhas
Temer se encontra com presidentes de Argentina e Paraguai


Potencializar o Mercosul para alcançar acordos comerciais com o mundo, flexibilizar as regras e apostar em políticas menos protecionistas foram os objetivos traçados nesta segunda-feira pelos presidentes de Brasil e Argentina, as duas grandes economias sul-americanas em dificuldade e cujos governos estão em plena sintonia política.

Após sua passagem por Buenos Aires, Michel Temer fez uma visita relâmpago ao Paraguai, onde se encontrou com o presidente paraguaio, Horacio Cortes, um dos primeiros chefes de Estado a reconhecer o impeachment de Dilma Rousseff.

Temer e o presidente da Argentina, Mauricio Macri, mostraram em Buenos Aires afinidade em matéria econômica, em relação à crise da Venezuela e ao apoio à Colômbia para que implemente o acordo de paz com as Farc, rejeitado pela população no referendo do último domingo.

Acreditamos em um mundo globalizado e cheio de desafios globais, motivo pelo qual estreitamos e potencializamos o Mercosul, para que encaremos a relação com o mundo, expressou Macri.

Em meio ao protesto de aproximadamente vinte manifestantes que gritavam Fora Temer, o presidente brasileiro manifestou a necessidade de flexibilizar as regras do bloco.

Para fortalecer o Mercosul como instituição sul-americana que tem interesse no mundo todo, as duas coisas principais são chegar a um acordo formal no Mercosul e flexibilizar um pouco as regras do Bloco para dar certa autonomia para os Estados-membros, disse Temer.

Ambos os presidentes, favoráveis ao livre-mercado, consideraram prioritário avançar em um acordo com a União Europeia.

A União Europeia tem trocado ofertas com o Mercosul para começar um caminho que levará anos, disse Macri.

Percebemos que o mundo tem muito interesse no Mercosul. São muitos os países que nos pedem tratados de livre-comércio e mais intercâmbios, afirmou Macri.

Após a assinatura de acordos entre chanceleres e um típico churrasco argentino na residência presidencial em Buenos Aires, Temer partiu para o Paraguai.

Ao chegar a Assunção, o presidente brasileiro disse que pretende visitar outros Estados da América do Sul para colaborar com a integração latino-americana de nações.

- Tudo bem, tudo joia -

Temer disse que concorda integralmente com Macri e ressaltou que os dois países vivem os mesmo problemas: a pobreza e o desemprego.

Brasil e Argentina, primeira e terceira economia da América Latina respectivamente, atravessam uma dura recessão. Por isso, os dois mandatários multiplicam esforços diplomáticos para captar investimentos estrangeiros, enquanto o emprego e a atividade econômica caem.

O Brasil é o principal destino das exportações argentinas e a Argentina é o terceiro parceiro comercial do Brasil, depois de China e Estados Unidos. O comércio bilateral totalizou 23 bilhões de dólares em 2015 e 14 bilhões nos primeiros oito meses de 2016, segundo dados do Itamaraty.

A consultora argentina ABECEB estima que 2016 terminará com um saldo deficitário para Buenos Aires de 4 bilhões de dólares, e que o intercâmbio parou de cair.

Segundo Dante Sica, diretor da empresa, hoje não se discute se vai crescer (o intercâmbio), mas sim quanto irá crescer. E se o Brasil cresce 1%, é uma excelente notícia para o setor industrial em geral.

Macri afirmou que a relação com o Brasil está bem, tudo joia e tudo legal, disse em português.

Ambos os presidentes reafirmaram dezenas de compromissos bilaterais já existentes, entre outros de cooperação nuclear, e destacaram a existência da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC).

- Paz na Colômbia, olho na Venezuela -

Temer e Macri foram perguntados sobre os temas que concentram as atenções na região: a rejeição em referendo ao acordo de paz na Colômbia e a severa crise atravessada pela Venezuela.

Buscamos uma opção de paz na Colômbia. Os máximos esforços e desejos é que cheguem à paz. Isso é útil para a Colômbia e para todos os Estados da América do Sul, afirmou Temer.

Macri disse que a pouca diferença entre o Não e o Sim mostra que há muita gente que acredita na via de um acordo e certamente muitos dos que votaram contra devem querer o mesmo, mas com outro tipo de acordo. Esperamos que as condições sejam geradas, completou.

Sobre a Venezuela, também exibiram uma postura monolítica e lembraram do ultimato dado a Caracas para que cumpra os requisitos para que se integre plenamente ao bloco regional.

Temer garante que o objetivo não é tirar a Venezuela do Mercosul. Macri ressaltou que eles estão preocupados com a violação aos direitos humanos e com a não aceitação do referendo revogatório ao presidente Nicolás Maduro pedido pela oposição.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212