Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Nobel de Medicina que diz que sempre evitou pesquisas mais populares - Jornal Brasil em Folhas
Nobel de Medicina que diz que sempre evitou pesquisas mais populares


O japonês Yoshinori Ohsumi, premiado com o Nobel de Medicina por sua contribuição para a compreensão da renovação celular, afirma sempre ter evitado os campos de pesquisa mais populares entre os cientistas.

Não gosto de competir. Eu me divirto fazendo o que outros não fazem, mais do que fazendo o que todo mundo quer fazer, declarou durante uma coletiva de imprensa em Tóquio após o anúncio do seu prêmio.

O pesquisador afirmou ter se surpreendido quando o secretário do júri, Thomas Perlmann, lhe telefonou antes do anúncio.

Era meu sonho quando eu era criança, mas deixei de pensar no Nobel desde que me tornei pesquisador, acrescentou o pesquisador, de 71 anos de idade, com óculos sem armação e barba branca sem bigode.

Ohsumi é o 25º japonês a ganhar um prêmio Nobel, e o quarto a obter o de Medicina, segundo meios de comunicação do Japão.

O pesquisador atuou a maior parte de sua carreira de biólogo na Universidade de Tóquio, onde realizou experimentos sobre o processo da autofagia que se mostraram cruciais para compreender a renovação das células, o envelhecimento e a resposta do corpo à fome e às infecções.

O processo autofágico está implicado em várias afecções, como o câncer e as doenças neurológicas.

Essa pesquisa não chamava muita atenção no passado, mas agora estamos em um momento em que há um maior foco sobre isso, disse Ohsumi diante das câmeras da rede pública de televisão NHK.

Quando comecei meus trabalhos há 27 anos, havia 20 artigos [sobre o tema], [agora] talvez haja 5.000, acrescentou.

Perguntado durante a coletiva sobre os cortes financeiros para a pesquisa científica básica no mundo todo, disse estar preocupado.

É divertido trabalhar sem saber para onde estamos indo. É difícil saber o que pode levar a um resultado. Espero que a sociedade se preocupe pacientemente com a pesquisa básica, afirmou.

Nascido pouco antes do fim da Segunda Guerra Mundial na cidade de Fukuoka (sudoeste), na ilha meridional de Kyushu, onde seu pai era professor de engenharia, Ohsumi cresceu em um entorno universitário.

Ao escolher a carreira, Ohsumi, o mais jovem de quatro irmãos, estava inicialmente mais interessado em química, mas mudou seu foco para a biologia molecular, de acordo com uma entrevista de 2012.

Ohsumi recebeu um PhD pela Universidade de Tóquio em 1974, e passou vários anos na Universidade Rockefeller, em Nova York, antes de voltar para o Japão, no final dos anos 1980. Desde 2009, é professor do Instituto Tecnológico de Tóquio.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212