Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Israel critica declarações do presidente filipino sobre Hitler - Jornal Brasil em Folhas
Israel critica declarações do presidente filipino sobre Hitler


Israel criticou neste sábado as declarações do presidente filipino, Rodrigo Duterte, que na sexta-feira fez uma comparação entre sua violenta guerra contra a criminalidade e o extermínio dos judeus por Adolf Hitler, afirmando que ficaria feliz de massacrar milhões de viciados.

É uma declaração infeliz e estamos convencidos que o presidente filipino encontrará a forma de esclarecer suas declarações, afirma em um comunicado o ministério das Relações Exteriores de Israel.

Neste sábado, o presidente filipino se recusou a voltar atrás na declaração.

Não buscamos minimizar a morte de seis milhões de judeus durante o holocausto, afirma em um comunicado o porta-voz do presidente, Ernesto Abella.

Duterte fez referência a sua vontade de matar três milhões de traficantes de drogas para preservar o futuro da próxima geração e o país, completou.

Israel e Filipinas têm relações diplomáticas, com a presença de embaixadores desde os anos 1960. O governo filipino foi o único asiático a votar em 1947 a resolução da ONU sobre a partilha da Palestina que previa, entre outros pontos, a criação do Estado de Israel.

Duterte, conhecido por sua franqueza, muitas vezes ofensiva, chamou de hipócritas a União Europeia e os Estados Unidos, que criticaram sua violenta campanha contra o tráfico de drogas.

Hitler massacrou três milhões de judeus. Pois há três milhões de drogados nas Filipinas. Ficarei feliz em massacrá-los, declarou em um discurso na sexta-feira.

Na realidade os nazistas mataram seis milhões de judeus.

O paralelismo entre Hitler e o extermínio de judeus e a campanha de combate ao crime nas Filipinas provocou reações de indignação, em particular nos Estados Unidos e na Alemanha.

O presidente do Congresso Judaico Mundial, Ronald Lauder, chamou de indignas as declarações de Duterte e exigiu um pedido de desculpas.

Desde que Duterte tomou posse em 30 de junho, mais de 3.300 pessoas morreram, em sua grande maioria por civis estimulados pela retórica incendiária do presidente, que defende que se faça justiça com as próprias mãos.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212