Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pesquisadores elaboram 1º mapa global da diversidade genética - Jornal Brasil em Folhas
Pesquisadores elaboram 1º mapa global da diversidade genética


Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Copenhague dirigida pelo espanhol David Nogués-Bravo elaboraram o primeiro mapa global da diversidade genética no planeta, que é maior nos trópicos e nas áreas com menor impacto humano.

O estudo, publicado nesta quinta-feira pela revista Science, se baseia na análise de quase 93 mil sequências genéticas de mais de 4,5 mil espécies de mamíferos terrestres e anfíbios, tiradas das bases de dados públicos e com coordenadas geográficas atribuídas.

Nunca tínhamos tido uma visão global de como se distribui a diversidade biológica, não em nível de espécies, mas de genética. É como se fosse o primeiro telescópio e estivéssemos descobrindo as primeiras constelações, explicou Nogués-Bravo, professor associado do Centro de Macroecologia, Evolução e Clima.

A pesquisa revela duas conclusões principais: que é nas regiões tropicais onde há maior diversidade genética e que a atividade humana reduziu essa diversidade, expondo os animais a um risco mais alto de extinção.

A diversidade genética é atrelada à capacidade de adaptação às mudanças, por isso que os trópicos estão, teoricamente, mais preparados para enfrentá-las do que as zonas polares, onde essa variedade é menor.

Tínhamos indicativos de uma espécie aqui e lá, mas não um padrão global. Os trópicos são como as cofres da diversidade genética, afirmou o pesquisador espanhol.

Os dados analisados mostram também que os mamíferos e anfíbios que vivem nas áreas mais alteradas pelos humanos são os que têm menor diversidade genética, e portanto piores perspectivas de adaptação às mudanças no meio.

Apesar da grande quantidade de material genético armazenado nos depósitos públicos como o GenBank, a base de dados do Instituto Nacional de Saúde dos EUA e que o grupo usou como principal referência, a maioria carecia de coordenadas.

Os cientistas usaram referências geográficas ou toponímicas incluídas no material para averiguar as coordenadas através de algoritmos, embora o resultado final só represente cerca de 35% de todo o conhecimento sobre sequências genéticas.

Existe a necessidade de melhorar as estratégias para classificar dados filogeográficos futuros e desenvolver algoritmos de busca de dados para referenciar geograficamente as milhões de sequências disponíveis, adverte o estudo.

No fundo, continuamos sabendo muito pouco sobre a biodiversidade do planeta, admitiu Nogués-Bravo, ao ressaltar que o estudo inclui outro mapa batizado como o da ignorância.

A maioria do conhecimento existente vem da Europa Ocidental, da América do Norte e do Extremo Oriente, enquanto regiões como os trópicos, onde há mais variedade genética, são com menos dados conhecidos.

A elaboração do mapa permitirá avançar na compreensão de como funcionam os mecanismos que controlam o número de espécies, avaliar a capacidade destas para se adaptarem às mudanças e impedir a perda da biodiversidade.

O próximo passo é entender onde vamos perder mais diversidade genética por conta da mudança climática. Já estamos trabalhando nisso, explicou Nogués-Bravo, que pesquisa há oito anos no Centro de Macroecologia, Evolução e Clima, do Museu de História Natural da universidade.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212