Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pesquisadores elaboram 1º mapa global da diversidade genética - Jornal Brasil em Folhas
Pesquisadores elaboram 1º mapa global da diversidade genética


Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Copenhague dirigida pelo espanhol David Nogués-Bravo elaboraram o primeiro mapa global da diversidade genética no planeta, que é maior nos trópicos e nas áreas com menor impacto humano.

O estudo, publicado nesta quinta-feira pela revista Science, se baseia na análise de quase 93 mil sequências genéticas de mais de 4,5 mil espécies de mamíferos terrestres e anfíbios, tiradas das bases de dados públicos e com coordenadas geográficas atribuídas.

Nunca tínhamos tido uma visão global de como se distribui a diversidade biológica, não em nível de espécies, mas de genética. É como se fosse o primeiro telescópio e estivéssemos descobrindo as primeiras constelações, explicou Nogués-Bravo, professor associado do Centro de Macroecologia, Evolução e Clima.

A pesquisa revela duas conclusões principais: que é nas regiões tropicais onde há maior diversidade genética e que a atividade humana reduziu essa diversidade, expondo os animais a um risco mais alto de extinção.

A diversidade genética é atrelada à capacidade de adaptação às mudanças, por isso que os trópicos estão, teoricamente, mais preparados para enfrentá-las do que as zonas polares, onde essa variedade é menor.

Tínhamos indicativos de uma espécie aqui e lá, mas não um padrão global. Os trópicos são como as cofres da diversidade genética, afirmou o pesquisador espanhol.

Os dados analisados mostram também que os mamíferos e anfíbios que vivem nas áreas mais alteradas pelos humanos são os que têm menor diversidade genética, e portanto piores perspectivas de adaptação às mudanças no meio.

Apesar da grande quantidade de material genético armazenado nos depósitos públicos como o GenBank, a base de dados do Instituto Nacional de Saúde dos EUA e que o grupo usou como principal referência, a maioria carecia de coordenadas.

Os cientistas usaram referências geográficas ou toponímicas incluídas no material para averiguar as coordenadas através de algoritmos, embora o resultado final só represente cerca de 35% de todo o conhecimento sobre sequências genéticas.

Existe a necessidade de melhorar as estratégias para classificar dados filogeográficos futuros e desenvolver algoritmos de busca de dados para referenciar geograficamente as milhões de sequências disponíveis, adverte o estudo.

No fundo, continuamos sabendo muito pouco sobre a biodiversidade do planeta, admitiu Nogués-Bravo, ao ressaltar que o estudo inclui outro mapa batizado como o da ignorância.

A maioria do conhecimento existente vem da Europa Ocidental, da América do Norte e do Extremo Oriente, enquanto regiões como os trópicos, onde há mais variedade genética, são com menos dados conhecidos.

A elaboração do mapa permitirá avançar na compreensão de como funcionam os mecanismos que controlam o número de espécies, avaliar a capacidade destas para se adaptarem às mudanças e impedir a perda da biodiversidade.

O próximo passo é entender onde vamos perder mais diversidade genética por conta da mudança climática. Já estamos trabalhando nisso, explicou Nogués-Bravo, que pesquisa há oito anos no Centro de Macroecologia, Evolução e Clima, do Museu de História Natural da universidade.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212