Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cientistas anunciam nascimento de 1º bebê do mundo com DNA de 3 pais - Jornal Brasil em Folhas
Cientistas anunciam nascimento de 1º bebê do mundo com DNA de 3 pais


Cientistas anunciaram o nascimento do primeiro bebê do mundo por meio de uma técnica de reprodução assistida que usa o DNA de três país diferente, revelou nesta terça-feira a revista científica britânica New Scientist.

A publicação afirma que trata-se de Abrahim Hassan, um bebê de cinco meses, que nasceu fruto de um polêmico método que usa o DNA do pai, da mãe e de um terceiro doador. A técnica permite progenitores com mutações genéticas raras a conceber filhos sãos.

Especialistas em embriologia explicam que o nascimento de Abrahim deve impulsionar o progresso da técnica no mundo.

Os pais jordanianos do bebê foram tratados no México por uma equipe dos Estados Unidos. A mãe de Abrahim, Ibtisam Shaban, possui genes da chamada síndrome de Leigh, uma desordem mortal que afeta o sistema nervoso em desenvolvimento do feto.

Os genes da doença estão no DNA mitocondrial, que fornece energia às células e transporta 37 genes que são transmitidos das mães para os filhos. Segundo o artigo da New Scientist, um quarto do DNA mitocondrial de Ibtisam tinha o gene teu levava a mutação que provocaria a doença no filho.

Apesar de a mãe de Abrahim ser uma pessoa sã, a síndrome provocou a morte de seus dois primeiros filhos. Por isso, acompanhada de seu marido, Mahmoud Hassan, solicitou ajuda do especialista em fertilidade John Zhang e sua equipe no Centro New Hope, em Nova York, nos Estados Unidos.

Existem várias maneiras de realizar essa técnica de combinar DNA de três pais, mas um método aprovado no Reino Unido, denominado transferência pronuclear, implica a fertilização do óvulo da mãe, da de uma doadora e do esperma do pai.

Por essa técnica, antes de os óvulos fertilizados começarem a se dividir em embriões é retirado de cada núcleo. Na sequência, o da doadora é descartado para ser substituído pelo da mãe.

No entanto, essa técnica não era apropriada no caso dos pais, ambos muçulmanos, por motivos religiosos, pois se opunham à destruição de dois embriões.

Por isso, Zhang adotou um enfoque diferente em seu tratamento. O núcleo dos óvulos de Ibtisam e o inseriu no óvulo da doadora, do qual o próprio núcleo já tinha sido retirado. O óvulo resultante com DNA nuclear de Shaban e o DNA mitocondrial da doadora foi fertilizado com o esperma do pai.

Dessa maneira, foram criados cinco embriões. Apenas um se desenvolveu normalmente e dele nasceu o bebê Abrahim.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212