Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estatuto do Idoso trouxe avanços, mas ainda apresenta falhas, diz fisioterapeuta - Jornal Brasil em Folhas
Estatuto do Idoso trouxe avanços, mas ainda apresenta falhas, diz fisioterapeuta


O Estatuto do Idoso completa hoje (1º), Dia internacional do Idoso, 13 anos de vigência. Se a legislação foi considerada um avanço por colocar na pauta do dia as demandas da parcela da população com 60 anos ou mais, com o envelhecimento gradual da população muito mais do que leis, os brasileiros precisam aprender a lidar com os mais velhos e se preparar, desde cedo, para atingir a terceira idade.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de idosos no Brasil alcança 22,9 milhões, 11,34% da população. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), a proporção de idosos de 60 anos ou mais passou de 9,7%, em 2004, para 13,7%, em 2014, sendo o grupo etário que mais cresceu. Em 2030, essa proporção seria de 18,6%, e, em 2060, de 33,7%, ou seja, a cada três pessoas na população uma terá ao menos 60 anos de idade.

Para a presidente do Departamento de Gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) e presidente do Conselho do Idoso do Estado de São Paulo, Claudia Fló, os mais jovens e os próprios idosos devem melhorar a percepção que têm do envelhecimento.

“A gente vê muita vezes os próprios idosos negando essa fase. Vemos pessoas de 70, 80 anos que se referem aos idosos como “os idosos”, como se eles não se enquadrassem nisso. Em tenho 60 anos, sou idosa e tenha que prestar atenção de nunca dizer ‘eles’. Tanto nós idosos temos que mudar o nosso jeito de agir, como as pessoas que não são idosas têm que nos respeitar”, afirmou a fisioterapeuta.

Para a especialista, a partir do Estatuto do Idoso, as pessoas mais velhas passaram a ser olhados. “Era em menor número do que existe hoje, mas agora, com esse aumento expressivo do número de idosos, ter uma legislação que olhe para eles é bastante importante. Abre os olhos das pessoas para o envelhecimento e para os idosos. Dizer não ao preconceito e à exclusão e tudo aquilo que discrimina o idoso. Não dá mais para ter discriminação, separação”.

Apesar de avançada, a lei ainda apresenta falhas, principalmente de implementação. “Os idosos têm direito a ter acompanhante nos hospitais quando estão internados. Os hospitais, na maioria da vezes, deixam pessoas acompanharem os idosos, só que não dão condições para eles ficarem como deveriam. Ficar sentado, dia e noite, em uma cadeira de plástico para dormir é muito desconfortável. Isso deveria ser modificado. Não basta deixar entrar, é preciso alimentação e uma cadeira decente”, exemplificou.

Para ter viver bem após os 60 anos, Claudia Fló ressalta como essencial a prática de atividade física. “A primeira coisa que a gente tem que fazer é tentar manter a saúde e preservá-la, fazendo as coisas que são certas. Atividade física é uma das coisas mais importantes”, destacou.

Ela lembrou que com o passar dos anos o idoso perde massa muscular e massa óssea. Por isso, as atividades físicas tornam-se cada vez mais essenciais. “Se qualquer pessoa que tenha uma diminuição da massa óssea cair e sofrer uma fratura é uma coisa terrível. Em geral, 10% das pessoas que caem e sofrem fraturas quando são idosos se recuperam totalmente. É muito pouca gente. Um grande número morre, outro acaba indo para instituições de longa permanência e muitos ficam com sequelas”.

Com o envelhecimento gradual da população brasileira, a fisioterapeuta ressalta a necessidade de o país criar, nas escolas, uma cultura de respeito aos mais velhos e de cuidado com a própria saúde.

“Há coisas que precisamos fazer a vida toda. O jeito de se preparar para o envelhecimento é, desde cedo, a pessoa pensar que um dia vai ficar velha. É um papel da Sociedade de Brasileira de Geriatria e Gerontologia divulgar nas escolas, tentar incluir no currículo esse assunto para as crianças, para que cresçam ouvindo que a gente tem que se preocupar sempre”.

Instituído pelas Nações Unidas em 1991, o Dia Internacional do Idoso este ano tem como tema a reflexão sobre preconceitos que ainda recaem sobre a velhice. “Estamos vivendo mais, isso é motivo de comemoração. As pessoas estão vivendo mais e com mais saúde do que no passado. A minha avó era muito velhinha e morreu com 84 anos. Hoje, percebo que ela não era tão velhinha assim. Atualmente, uma pessoa de 84 anos tem expectativa de viver pelo menos mais dez anos. As pessoas estão envelhecendo diferente. Tudo isso é motivo para comemorar” destacou Claudia Fló.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212