Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Casa no Into reensina pacientes com deficiência a fazerem tarefas cotidianas - Jornal Brasil em Folhas
Casa no Into reensina pacientes com deficiência a fazerem tarefas cotidianas


Arrumar a cama, calçar um sapato, limpar a casa e passar um café. Simples tarefas cotidianas, mas que precisam ser reaprendidas por quem sofreu amputações ou sequelas por doença ou acidente. A vida de uma pessoa que ficou cega ou em uma cadeira de rodas, por exemplo, passa pela readaptação de toda a rotina, pois a mobilidade ficou reduzida.

Para treinar os movimentos e recuperar a autonomia nas atividades do dia a dia, o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), mantido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), oferece ajuda. A unidade montou um apartamento, com sala, cozinha, quarto e banheiro, simulando uma casa de verdade, com móveis, eletrodomésticos e utensílios de cozinha para que os pacientes possam aprender os novos movimentos com fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.

Por causa da diabete, Douglas Medela, 50 anos, perdeu parte de uma das pernas e a visão. A amputação tem dois anos, mas ele ainda está se acostumando. “Quando eu uso o açúcar [adoçante], eu peço [ajuda] à minha esposa, cinco gotinhas, vou pingando e ela conta”, disse. Incentivado pela terapeuta, Medela diz que é capaz de fazer e de servir seu próprio café, algo que aprendeu a fazer na unidade. “Quando estou em casa, vou pela audição e, para não encher, ponho a pontinha do dedo [dentro da xícara]”, disse o motorista aposentado

Na cadeira de rodas, Lázara Alves Gomes, de 75 anos, está há mais tempo em tratamento e consegue arrumar a cama tão rápido que a fotógrafa quase não consegue acompanhar. Ela faz a própria cama, em casa, de casal, cozinha, varre quintal e lava roupa. “A Marilda [a terapeuta] me ensinou tudo. Desde o primeiro dia, desde sentar e sair da cadeira. A única coisa que eu não consigo é a cadeira de assento, esta, meu marido empurra comigo sentada para o banheiro”, disse.

A coordenadora do espaço, chamado de Laboratório da Vida Diária, Martha Lucas, explica que o treinamento varia de acordo com o paciente. Pode começar ensinando a sentar e a levantar, a colocar o cadarço, se abaixar para arrumar um armário e até cozinhar. Ela tem ajuda de equipamentos adaptados, como tábua que tem dois pregos para segurar e facilitar o corte de legumes, facas com cabos estendidos, mas, em geral, ensina os pacientes a usar o que eles têm, sem precisar comprar nada ou fazer reformas. “As pessoas que vêm, em geral, não têm condições de reformar a própria casa ou pagar cuidadores. O que querem é autonomia, muitos até moram sozinhos, e precisam recuperar a auto-estima depois de um trauma”, disse.

Martha explicou que o laboratório, que funciona a partir de produtos doados pelo Instituto Marsan, faz parte da terapia ocupacional no Into. Antes, era feita apenas a simulação. “Não tínhamos condições de oferecer [ao paciente] um alimento para que ele realmente descascasse, cortasse, vivenciasse da mesma forma que em casa. Hoje, com esse espaço, fazemos a realidade. Se o paciente chegar e dizer que não consegue descascar uma batata, teremos a faca, a mesa e vamos ver a melhor forma para que ele descasque, corte e cozinhe a batata”.

Edileuza dos Santos Barbosa, de 58 anos, reaprendeu a passar roupa no laboratório. Depois de ter sofrido um atropelamento que lhe custou parte do joelho há dez meses, ela já se equilibra com um pé na frente e outro atrás. Em casa, diz que consegue fazer tudo sozinha e que agora só pensa no dia em que poderá ir à praia. “Ainda não fui, depois da batida, fico pensando como eu vou reagir sem um pedaço na perna, para me equilibrar na água, mas é só isso”, brincou.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212