Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Unasul diz que vai continuar apoiando a Colômbia na busca pela paz - Jornal Brasil em Folhas
Unasul diz que vai continuar apoiando a Colômbia na busca pela paz


A Secretaria-Geral da União das Nações Sul-americanas (Unasul) informou que vai continuar apoiando a Colômbia na busca pela paz. A declaração foi feita depois de a população do país rejeitar o acordo de paz assinado entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

“Neste momento decisivo para a Colômbia, a Secretaria-Geral destaca o reconhecimento dos resultados alcançados pelo presidente Juan Manuel Santos e outros atores políticos e renova o compromisso de continuar apoiando a Colômbia para que alcance a paz por meio do diálogo”, declarou a entidade em nota.

Ainda no comunicado oficial, a Unasul expressou seu reconhecimento e sua felicitação ao povo colombiano por manter o espírito democrático e o comportamento cívico e pacífico durante a realização do plebiscito ao longo do dia de ontem (2).

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou hoje (3) que não vai desistir de assinar o acordo de paz com as Farc após uma derrota inesperada nas urnas. “O cessar-fogo é bilateral e definitivo. Não desistirei. Buscarei a paz até o último dia do meu mandato”, disse, em sua primeira declaração após a divulgação do resultado do referendo.

OEA

Por meio de sua conta na rede social Twitter, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, classificou como fundamental que o processo de paz chegue a todos os colombianos – inclusive aos 60% que optaram por não participar do plebiscito proposto pelo governo. “Apoiamos o diálogo inclusivo. A paz é um trabalho para todos”, disse.

Conflito

A Colômbia enfrenta uma guerra com as Farc há 52 anos. O conflito já provocou a morte de 220 mil pessoas. A guerrilha tinha prometido que, caso o acordo fosse assinado, se tornaria um partido político. O governo colombiano não precisava submeter o acordo de paz a um referendo, mas decidiu convocar a consulta popular para dar legitimidade política à decisão.

 

Últimas Notícias

SP: viaduto que cedeu passará por elevação com macacos hidráulicos
Operação de feriado reduziu em 4% o total de acidentes graves, diz PRF
Seleção para o Mais Médicos terá limitador de vagas por município
Petrobras pode ser privatizada em parte, diz Bolsonaro
Traficante brasileiro extraditado do Paraguai é levado para o Paraná
Com proximidade do verão, Rio reforça campanha de combate à dengue
Embaixada do Brasil parabeniza Paraguai por extradição de traficante
Encontro avalia estratégias contra a corrupção e lavagem de dinheiro

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212