Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 ONU pode eleger uma mulher como vice-secretária - Jornal Brasil em Folhas
ONU pode eleger uma mulher como vice-secretária


Uma mulher poderá ser eleita como vice-secretária da Organizações da Nações Unidas (ONU), após a eleição do português António Guterres como próximo secretário-geral. A aprovação deve ser feita na semana que vem pela Assembleia Geral. As informações são da Agência Ansa.

A expectativa de que fosse uma mulher que ocuparia o cargo máximo da diplomacia internacional se perdeu, quando foi divulgada a informação sobre o acordo dos membros do Conselho de Segurança para eleger Guterres.

A decisão pela escolha do ex-primeiro-ministro de Portugal, que também foi líder do Alto Comissariado da ONU para Refugiados, confirmou que um homem sucederá o sul-coreano Ban Ki-moon, no cargo desde 2007, enquanto uma mulher poderá ocupar o cargo de vice-secretária.

Durante sua campanha, Guterres deu como certa a nomeação de uma mulher, pois em sua opinião é fundamental a paridade de gênero nas Nações Unidas.

Ban Ki-moon

Em reunião ontem (6) com o presidente da itália, Sergio Mattarella, Ban Ki-moon elogiou a escolha do português. Saudações a António Guterres por sua nomeação. Eu o conheço bem e considero uma eleição magnífica, comentou o atual responsável pela entidade.

Já Matarella disse que a extraordinária experiência internacional em apoio aos mais fracos de Guterres será a maior garantia para a confirmação da herança de Ban Ki-moon.

Guterres, veterano na política e na diplomacia, primeiro-ministro de Portugal entre 1995 e 2002 e líder do Alto Comissariado para Refugiados de 2005 a 2015, assumirá o cargo em primeiro de janeiro de 2017 e seguirá seu mandato até 31 de dezembro de 2021.

Era o melhor candidato e isso foi considerado de maneira unânime como a coisa mais importante, declarou Vitaly Churkin, embaixador russo e presidente de turno dos 15 representantes do Conselho de Segurança.

Processo transparente

O secretário-geral eleito se definiu como um honesto mediador, um construtor de pontes e uma pessoa que busca criar as condições para o consenso.

Para descrever o que sinto com este momento me faltam palavras. Gratidão e humildade, comentou Guterres, de 67 anos, em uma videoconferência em Lisboa.

Minha gratidão ao Conselho de Segurança, por sua confiança, à Assembleia Geral e aos Estados-membros pelo processo de seleção aberto e transparente, afirmou o político português.

Guterres também se disse comovido ao ver unidade no organismo da ONU. Unidade e consenso são absolutamente indispensáveis para que o Conselho de Segurança enfrente os desafios de nosso tempo, porém se necessita de humildade para reconhecer os desafios atuais e para servir aos povos, sobretudo aos mais vulneráveis, como as vítimas dos conflitos e da pobreza, conclui ele.

Sua experiência o colocou como o favorito desde o primeiro voto preliminar do Conselho de Segurança, porém havio o receio de que Moscou vetasse a indicação. A Rússia pressionava a entidade para eleger um candidato do leste europeu.

Além disso, as tensões entre Estados Unidos e Rússia poderiam causar um processo longo e complexo. Por isso, o resultado, que elegeu Guterres com rapidez e de modo unânime, foi uma surpresa para muitos.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212