Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Grupo nazista alemão está por trás do homicídio de menina em 2001 - Jornal Brasil em Folhas
Grupo nazista alemão está por trás do homicídio de menina em 2001


Vestígios de DNA de um membro já falecido do trio neonazista NSU foram encontrados perto do corpo de uma menina assassinada em 2001 na Alemanha - disse a Polícia nesta sexta-feira (14), estabelecendo um vínculo entre esse crime e o bando responsável por uma série de homicídios racistas.

O DNA encontrado perto dos restos mortais de Peggy Knobloch, de 9 anos, desaparecida em 7 de maio de 2001 quando voltava da escola, bate com o de Uwe Böhnhardt.

Junto com Uwe Mundlos e Beate Zschäpe, Böhnhardt integrava o trio neonazista Clandestinidade Nacional-Socialista (NSU), considerado responsável por vários assassinatos racistas cometidos na Alemanha nos anos 2000.

Böhnhardt e Mundlos já morreram. Zschäpe é a única do grupo que continua viva e está sendo julgada desde 2013.

A Polícia indicou que continua analisando essa descoberta para determinar se poderia haver uma possível contaminação de amostras de DNA nos laboratórios forenses, mas disse ser pouco provável.

Caso se confirme, a descoberta estabelecerá um vínculo entre dois dos crimes de maior repercussão cometidos na Alemanha nos últimos anos.

O NSU era um trio de extremistas neonazistas que assassinou oito pessoas de origem turca, um imigrante grego e um policial alemão entre 2000 e 2007.

A Polícia tinha acabado de estabelecer o vínculo dessa série de assassinatos, quando os dois cúmplices da mulher - Böhnhardt, de 34, e Mundlos, de 38 - cometeram suicídio em um trailer, em 4 de novembro de 2011. Eles estavam perto de serem capturados pela Polícia depois de um assalto a banco.

Após quatro dias de fuga por todo o país, Zschape, hoje com 41, entregou-se à Polícia.

A Alemanha ficou em choque, quando se descobriu que a série de assassinatos que o trio teria cometido era de motivação racista.

A descoberta desse grupo em 2011, por acaso, expôs publicamente as falhas da Polícia e da Inteligência doméstica, colocando incômodas perguntas sobre como essa célula pôde passar despercebida durante 13 anos.

Desaparecida em Lichtenberg, na Baviera, Peggy Knobloch foi encontrada morta em julho passado, em um bosque do sul do Estado regional de Thüringen (Turíngia).

O DNA de Böhnhardt foi encontrado perto do corpo de Peggy.

Por esse crime, um homem com deficiência mental ficou preso por mais de dez anos, sendo depois absolvido e solto.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212