Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Grupo nazista alemão está por trás do homicídio de menina em 2001 - Jornal Brasil em Folhas
Grupo nazista alemão está por trás do homicídio de menina em 2001


Vestígios de DNA de um membro já falecido do trio neonazista NSU foram encontrados perto do corpo de uma menina assassinada em 2001 na Alemanha - disse a Polícia nesta sexta-feira (14), estabelecendo um vínculo entre esse crime e o bando responsável por uma série de homicídios racistas.

O DNA encontrado perto dos restos mortais de Peggy Knobloch, de 9 anos, desaparecida em 7 de maio de 2001 quando voltava da escola, bate com o de Uwe Böhnhardt.

Junto com Uwe Mundlos e Beate Zschäpe, Böhnhardt integrava o trio neonazista Clandestinidade Nacional-Socialista (NSU), considerado responsável por vários assassinatos racistas cometidos na Alemanha nos anos 2000.

Böhnhardt e Mundlos já morreram. Zschäpe é a única do grupo que continua viva e está sendo julgada desde 2013.

A Polícia indicou que continua analisando essa descoberta para determinar se poderia haver uma possível contaminação de amostras de DNA nos laboratórios forenses, mas disse ser pouco provável.

Caso se confirme, a descoberta estabelecerá um vínculo entre dois dos crimes de maior repercussão cometidos na Alemanha nos últimos anos.

O NSU era um trio de extremistas neonazistas que assassinou oito pessoas de origem turca, um imigrante grego e um policial alemão entre 2000 e 2007.

A Polícia tinha acabado de estabelecer o vínculo dessa série de assassinatos, quando os dois cúmplices da mulher - Böhnhardt, de 34, e Mundlos, de 38 - cometeram suicídio em um trailer, em 4 de novembro de 2011. Eles estavam perto de serem capturados pela Polícia depois de um assalto a banco.

Após quatro dias de fuga por todo o país, Zschape, hoje com 41, entregou-se à Polícia.

A Alemanha ficou em choque, quando se descobriu que a série de assassinatos que o trio teria cometido era de motivação racista.

A descoberta desse grupo em 2011, por acaso, expôs publicamente as falhas da Polícia e da Inteligência doméstica, colocando incômodas perguntas sobre como essa célula pôde passar despercebida durante 13 anos.

Desaparecida em Lichtenberg, na Baviera, Peggy Knobloch foi encontrada morta em julho passado, em um bosque do sul do Estado regional de Thüringen (Turíngia).

O DNA de Böhnhardt foi encontrado perto do corpo de Peggy.

Por esse crime, um homem com deficiência mental ficou preso por mais de dez anos, sendo depois absolvido e solto.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212