Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Assembleia nomeia Guterres para secretário-geral da ONU - Jornal Brasil em Folhas
Assembleia nomeia Guterres para secretário-geral da ONU


A Assembléia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) referendou hoje, por aclamação, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, António Guterres, para ser o próximo secretário-geral das Nações Unidas. A decisão desta quinta-feira foi a última etapa do processo de sucessão do atual secretário-geral, Ban Ki-moon, que deixará o cargo em 31 de dezembro deste ano.

Guterres, de 67 anos, ficará no cargo por cinco anos. Ele foi primeiro-ministro de Portugal de 1995 a 2002, e chefiou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, de junho de 2005 a dezembro de 2015.

Com a decisão, a assembleia da ONU adota uma recomendação do Conselho de Segurança da ONU que, em 6 de outubro último, aprovou por unanimidade o nome de Guterres.

Nome bem conhecido na ONU

Ban Ki-moon disse, após a decisão da assembleia, que Guterres é bem conhecido por todos nós nos corredores. Mas, conforme acrescentou, ele talvez seja mais conhecido onde mais importa, que é a linha de frente dos conflitos armados e dos sofrimentos humanitários. Com essas palavras, Ben Ki-moon fez uma referência ao tempo em que Guterres chefiava a agência de refugiados da ONU.

Ben Ki-moon disse que Guterrez é uma excelente escolha para dirigir esta Organização, porque vai enfrentar desafios em um mundo repleto de incertezas.

Corações e mentes

Desde o início, nós sabíamos da força intelectual, da experiência profissional e da visão e capacidade de conquistar corações e mentes do engenheiro António Guterres. De modo que não é surpresa que tenha no final prevalecido esta corrente favorável a uma candidatura que acabou se impondo com muita naturalidade, disse o embaixador do Brasil na ONU, Antonio Patriota, em entrevista para a rádio ONU.

Segundo Patriota, uma das peças fundamentais para a escolha de Guterres foi seu apoio à inclusão de países que se sentem mais excluídos em processos de decisão da ONU. Para o embaixador brasileiro, os desafios do mundo contemporâneo, como o terrorismo, não podem ser resolvidos individualmente pelos países e sim por um grande colegiado, como a ONU.

Patriota, que esta semana deixa de representar o Brasil na sede das Nações Unidas, ressaltou o novo modelo de escolha de candidato para chefiar a ONU. Pela primeira vez, o processo incluiu entrevistas dos concorrentes ao posto, inclusive transmitidas pela televisão e pela internet.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212