Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Assembleia nomeia Guterres para secretário-geral da ONU - Jornal Brasil em Folhas
Assembleia nomeia Guterres para secretário-geral da ONU


A Assembléia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) referendou hoje, por aclamação, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, António Guterres, para ser o próximo secretário-geral das Nações Unidas. A decisão desta quinta-feira foi a última etapa do processo de sucessão do atual secretário-geral, Ban Ki-moon, que deixará o cargo em 31 de dezembro deste ano.

Guterres, de 67 anos, ficará no cargo por cinco anos. Ele foi primeiro-ministro de Portugal de 1995 a 2002, e chefiou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, de junho de 2005 a dezembro de 2015.

Com a decisão, a assembleia da ONU adota uma recomendação do Conselho de Segurança da ONU que, em 6 de outubro último, aprovou por unanimidade o nome de Guterres.

Nome bem conhecido na ONU

Ban Ki-moon disse, após a decisão da assembleia, que Guterres é bem conhecido por todos nós nos corredores. Mas, conforme acrescentou, ele talvez seja mais conhecido onde mais importa, que é a linha de frente dos conflitos armados e dos sofrimentos humanitários. Com essas palavras, Ben Ki-moon fez uma referência ao tempo em que Guterres chefiava a agência de refugiados da ONU.

Ben Ki-moon disse que Guterrez é uma excelente escolha para dirigir esta Organização, porque vai enfrentar desafios em um mundo repleto de incertezas.

Corações e mentes

Desde o início, nós sabíamos da força intelectual, da experiência profissional e da visão e capacidade de conquistar corações e mentes do engenheiro António Guterres. De modo que não é surpresa que tenha no final prevalecido esta corrente favorável a uma candidatura que acabou se impondo com muita naturalidade, disse o embaixador do Brasil na ONU, Antonio Patriota, em entrevista para a rádio ONU.

Segundo Patriota, uma das peças fundamentais para a escolha de Guterres foi seu apoio à inclusão de países que se sentem mais excluídos em processos de decisão da ONU. Para o embaixador brasileiro, os desafios do mundo contemporâneo, como o terrorismo, não podem ser resolvidos individualmente pelos países e sim por um grande colegiado, como a ONU.

Patriota, que esta semana deixa de representar o Brasil na sede das Nações Unidas, ressaltou o novo modelo de escolha de candidato para chefiar a ONU. Pela primeira vez, o processo incluiu entrevistas dos concorrentes ao posto, inclusive transmitidas pela televisão e pela internet.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212