Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pesquisa revela que papagaios colaboram contra o desmatamento - Jornal Brasil em Folhas
Pesquisa revela que papagaios colaboram contra o desmatamento


Até agora pensava-se que os papagaios eram nocivos para as plantas porque supostamente destruíam as sementes das quais se alimentam, mas um estudo internacional descobriu o contrário: estas aves contribuem para expandir a araucária, uma árvore ameaçada pelo desmatamento das selvas tropicais.

A pesquisa, realizada por várias universidades brasileiras e por cientistas do Museu Nacional de Ciências Naturais (MNCN) e da Estação Biológica de Doñana, ambos do CSIC, foi publicada nesta terça-feira na revista Scientific Reports.

O trabalho descreve pela primeira vez a relação simbiótica entre papagaios e plantas, concretamente com a araucária (Araucaria angustifolia).

Os papagaios transportam as sementes no bico a certa distância desde as araucárias, para consumi-las em outros lugares, e com frequência atiram as sementes meio comidas.

Confirmamos que as sementes bicadas germinaram melhor que as que não mostram danos, explicou o pesquisador do MNCN Guillermo Blanco.

Nossas resultados apontam que estas plantas desenvolveram a capacidade de criar um efeito saciador nos papagaios que as consomem, ou seja, as grandes sementes desta espécie evoluíram para atrair os consumidores e, por sua vez, os saciam provocando que desprezem sementes viáveis sem terminar de consumi-la e ajudem assim à dispersão, especificou Blanco.

Para este trabalho, os pesquisadores estudaram o comportamento de nove espécies diferentes de papagaios em várias áreas.

Oito espécies consumiram 48% das sementes, mas 22,5% dessas sementes foram dispersadas porque as deixaram cair de seus bicos sem consumí-las totalmente ou inclusive sem prová-las.

Cinco desses espécies dispersaram as sementes em uma média de 250 metros, uma distância muito similar à qual se observa em aves como gralhas neotropicais do gênero Cyanocorax, considerados excelentes dispersoras de sementes da araucária e outros espécies.

A germinação de sementes bicadas foi maior que a das que não mostravam danos, porque permitem que a umidade penetre melhor e que a futura planta brote com mais facilidade.

No entanto, adverte Blanco, nossos dados confirmam que as relações entre espécies estão em vias de extinção pela ameaça que representa o comércio de papagaios como animal de estimação e a poda das florestas de araucária.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212