Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Consórcio que administra Galeão poderá buscar novos sócios - Jornal Brasil em Folhas
Consórcio que administra Galeão poderá buscar novos sócios


O consórcio Rio-Galeão, que administra o Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, poderá buscar novos sócios, disse hoje (17) o presidente da sociedade, Luiz Rocha. Após reunião com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ele admitiu a possibilidade de que um novo investidor substitua a Odebrecht, caso ela decida vender sua participação no consórcio.

“Existe sempre a possibilidade de buscar novos sócios. Estamos sempre em conversa com alguns. A Changi tem participação acionária em outros aeroportos fora de Cingapura e tem relacionamento com investidores de primeira linha. E a ideia é trazer alguns deles para o Galeão”, declarou Rocha ao sair do encontro.

Em relação a uma eventual substituição da Odebrecht, o presidente do consórcio disse que a Changi, que administra o aeroporto de Cingapura e é sócia do Galeão, está conversando com potenciais investidores. Segundo Rocha, o ambiente para investimentos estrangeiros no Brasil está mais tranquilo que há alguns meses, mas ele não entrou em detalhes.

Na reunião de hoje, representantes da Changi, asseguraram ao ministro da Fazenda o compromisso de investir no Brasil no longo prazo e ajudar a pagar a outorga de R$ 19 bilhões em 25 anos. Com a concessão para a iniciativa privada, o consórcio Rio-Galeão ficou com 51% do Aeroporto Internacional Tom Jobim. Os 49% restantes continuaram com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Da fatia de 51% da iniciativa privada, 60% (30,6 pontos percentuais) são da Odebrecht e 40% (20,4 pontos percentuais) pertencem à Changi. Cada parcela da concessão, a ser paga em 25 anos, equivale a R$ 930 milhões. A primeira prestação foi paga no ano passado, mas a segunda, que venceria em abril, teve o pagamento adiado para dezembro por problemas no empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Por causa da decisão do banco de suspender empréstimos para empresas acusadas pela Operação Lava Jato, o BNDES não aprovou o empréstimo de R$ 1,5 bilhão e mais R$ 400 milhões em debêntures (tipo de título privado) para o consórcio Rio-Galeão. Segundo Rocha, os sócios do Aeroporto Internacional Tom Jobim estão trabalhando para quitar a parcela até o fim do ano. “Estamos em tratativas com o BNDES e conversando com o governo. Acreditamos que deveremos chegar a uma solução a contento para todos”, disse.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212