Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Polícia Civil e Procon fiscalizam preços de combustíveis em Goiânia - Jornal Brasil em Folhas
Polícia Civil e Procon fiscalizam preços de combustíveis em Goiânia


A Superintendência de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO) e a Polícia Civil de Goiás apuram se o aumento no preço da gasolina e no etanol pode ser considerado abusivo, em Goiânia. Segundo gerente de pesquisa e cálculo do Procon, Gleidson Tomás, nesta quinta-feira (20) foi concluído levantamento de preços em 222 estabelecimentos.
Segundo Tomás, as 31 usinas e 30 distribuidoras de combustíveis do país já foram notificadas para entregar, nos próximos dez dias, comprovantes de compra e venda dos combustíveis e planilhas de custo, que vão ajudar nas investigações. Os documentos serão usados para verificar as justificativas dos preços cobrados por donos de postos.
Os postos de Goiânia serão notificados para apresentar os mesmos documentos se for identificado algum reajuste significativo nos preços de março para outubro deste ano.
“Queremos identificar o percentual de reajuste em cada um dos postos e vamos notificar pessoalmente aqueles que apresentarem mudança considerável de preço. Faremos uma análise detalhada de tudo que usam para justificar o aumento. Para isso, precisamos de fazer o levantamento de toda a cadeia de produção – por isso as notificações para usinas e distribuidoras. O preço, por si só, não é parâmetro para dizer se o posto está sendo abusivo ou não”, explicou ao jornal.
O gerente esclarece que o órgão também observa se há acordos entre estabelecimentos de uma mesma região para elevar o valor da gasolina e do etanol, prejudicando o consumidor.
“Não existe tabelamento, o preço é livre. No entanto, se houver indícios de alguma combinação que prejudica a livre concorrência, sem fator externo que justifique a mudança - como o aumento de impostos, ou do valor do produto na distribuidora - então há indício de prática abusiva”, comentou.
Também segundo ele, a parceria com a Polícia Civil existe para que o órgão apure se são cometidos crimes contra o consumidor nesses estabelecimentos. Nesses casos, as práticas devem ser investigados pela Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon).
“Ao concluir os levantamentos, se houver algum indício de cartel, por exemplo, as informações serão remetidas para a Polícia Civil. Se houver necessidade, também podemos acionar o Ministério Público de Goiás e a Justiça”, afirmou.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212