Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Presidente da BHP Billiton adia saída por desastre ambiental em Mariana - Jornal Brasil em Folhas
Presidente da BHP Billiton adia saída por desastre ambiental em Mariana


Jacques Nasser, presidente da mineradora anglo-australiana BHP Billiton, decidiu adiar sua partida para assumir a gestão do desastre ambiental da Samarco, ocorrido na região de Mariana.

Nasser, 68 anos, que preside a BHP Billiton desde 2010, declarou que não tentará a reeleição na próxima reunião do grupo.

No ano passado tinha a intenção de me retirar do conselho de administração, mas o conselho acredita ser importante que eu permaneça como presidente para dar estabilidade enquanto respondemos à questão da Samarco, disse Nasser em Londres, onde nesta quinta-feira ocorreu a assembleia anual de acionistas.

Agora que já se elaborou a estrutura de base para uma resposta à Samarco, que as conclusões de um painel de especialistas foram publicadas, as indenizações e os programas de descontaminação iniciados, e que a BHP Billiton mostra solidez, decidi que não tentarei a reeleição na próxima assembleia anual.

Mais cedo, Nasser havia destacado que a BHP Billiton respondeu corretamente à tragédia: Em 24 horas, as pessoas que perderam suas casas foram alojadas em locais provisórios. Em duas semanas, as crianças voltaram para a escola. Ocorreram mais de 500 reuniões com a comunidade para garantir que as pessoas afetadas fossem consultadas sobre os trabalhos de recuperação.

Em agosto, o grupo de mineração anunciou o maior prejuízo anual de sua história, devido à queda nos preços das matérias-primas e às repercussões do desastre em Mariana.

O prejuízo foi de 6,390 bilhões de dólares, contra um lucro líquido no exercício 2014/2015 de 1,910 bilhão de dólares.

A Samarco é uma joint-venture entre a empresa brasileira Vale e anglo-australiana BHP Billiton.

Nesta quinta-feira, o Ministério Público Federal denunciou 21 pessoas por homicídio qualificado pelas 19 mortes ocorridas após o rompimento da barragem da Samarco que fazia a contenção dos resíduos de mineração em Mariana.

Na lista dos denunciados, destacam-se o presidente da Samarco na época do desastre, Ricardo Vescovi, o diretor-geral de operações, Kleber Terra, três gerentes de operações, onze membros do Conselho de Administração da Samarco e cinco representantes da Vale e da BHP Billiton.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212