Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Presidente da BHP Billiton adia saída por desastre ambiental em Mariana - Jornal Brasil em Folhas
Presidente da BHP Billiton adia saída por desastre ambiental em Mariana


Jacques Nasser, presidente da mineradora anglo-australiana BHP Billiton, decidiu adiar sua partida para assumir a gestão do desastre ambiental da Samarco, ocorrido na região de Mariana.

Nasser, 68 anos, que preside a BHP Billiton desde 2010, declarou que não tentará a reeleição na próxima reunião do grupo.

No ano passado tinha a intenção de me retirar do conselho de administração, mas o conselho acredita ser importante que eu permaneça como presidente para dar estabilidade enquanto respondemos à questão da Samarco, disse Nasser em Londres, onde nesta quinta-feira ocorreu a assembleia anual de acionistas.

Agora que já se elaborou a estrutura de base para uma resposta à Samarco, que as conclusões de um painel de especialistas foram publicadas, as indenizações e os programas de descontaminação iniciados, e que a BHP Billiton mostra solidez, decidi que não tentarei a reeleição na próxima assembleia anual.

Mais cedo, Nasser havia destacado que a BHP Billiton respondeu corretamente à tragédia: Em 24 horas, as pessoas que perderam suas casas foram alojadas em locais provisórios. Em duas semanas, as crianças voltaram para a escola. Ocorreram mais de 500 reuniões com a comunidade para garantir que as pessoas afetadas fossem consultadas sobre os trabalhos de recuperação.

Em agosto, o grupo de mineração anunciou o maior prejuízo anual de sua história, devido à queda nos preços das matérias-primas e às repercussões do desastre em Mariana.

O prejuízo foi de 6,390 bilhões de dólares, contra um lucro líquido no exercício 2014/2015 de 1,910 bilhão de dólares.

A Samarco é uma joint-venture entre a empresa brasileira Vale e anglo-australiana BHP Billiton.

Nesta quinta-feira, o Ministério Público Federal denunciou 21 pessoas por homicídio qualificado pelas 19 mortes ocorridas após o rompimento da barragem da Samarco que fazia a contenção dos resíduos de mineração em Mariana.

Na lista dos denunciados, destacam-se o presidente da Samarco na época do desastre, Ricardo Vescovi, o diretor-geral de operações, Kleber Terra, três gerentes de operações, onze membros do Conselho de Administração da Samarco e cinco representantes da Vale e da BHP Billiton.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212