Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Candidatos já podem consultar locais de prova do Enem 2016 - Jornal Brasil em Folhas
Candidatos já podem consultar locais de prova do Enem 2016


O sistema prisional brasileiro, um dos maiores do mundo em população carcerária, é um ambiente de frequentes violações de direitos humanos. A avaliação está em levantamento apresentado hoje (20) pelo Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) sobre os tipos de violações de direitos mais recorrentes no país.

“O Brasil é o quarto país em população carcerária do mundo, tem um sistema prisional absolutamente violador de direitos, onde tortura e superlotação existem. O Estado admite facções dominando presídios, admite situações insalubres e é um país que ainda quer trancafiar a juventude”, disse a presidente do CNDH, Ivana Farina, referindo-se à tentativa de redução da maioridade penal que tramita no Congresso. Segundo ela, as violações de direitos humanos nos sistemas prisional e socioeducativo têm que ser uma preocupação nacional.

Durante reunião ampliada em Brasília, conselheiros de 17 estados e do Distrito Federal levaram informações para compor um mapeamento e propor ações de proteção aos direitos humanos em todo o país. As violências contra a juventude negra, contra povos indígenas e quilombolas, em grandes empreendimentos e contra pessoas em situação de rua também foram apontadas como pelos conselheiros, segundo Ivana.

A vice-presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos de Pernambuco, Edna Jatobá, criticou a política de encarceramento brasileira e as condições do sistema para recuperação dos detentos.

“O Estado prende muito e prende muito mal, e quando ele prende mal acaba forjando novos crimes e criminosos. Uma pessoa presa por tráfico quando sai da prisão vira um homicida. Temos um desajuste no sistema de Justiça criminal que não consegue dar conta, desde o policial que prende, o Judiciário que garante a execução e o sistema falido”, disse.

Segundo a conselheira, a crise e as desigualdades contribuem para o agravamento das ameaças aos direitos humanos. “Porque isso não é resolvido só com segurança, mas com saúde, com educação, com alimentação de qualidade, com lazer, etc. Não percebemos essa integração de políticas de maneira tão transversal com intervenção na segurança pública.”

O CNDH é um órgão composto por representantes do Poder Público e da sociedade civil que, além de monitorar as violações, tem competência para apurar situações ou condutas contrárias aos direitos humanos, podendo fazer recomendações a entidades públicas e privadas em todo o país.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212