Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 França começa a desmantelar acampamento de migrantes de Calais - Jornal Brasil em Folhas
França começa a desmantelar acampamento de migrantes de Calais


A França começou a desmantelar na manhã desta segunda-feira a chamada Selva de Calais, imenso acampamento onde se concentram milhares de migrantes, com o que espera virar a página deste símbolo da crise migratória que afeta a Europa.

As primeiras mulheres, crianças e doentes dos cerca de 8.000 migrantes chegados majoritariamente do Afeganistão, Sudão e Eritreia, se apresentaram com seus pertences no hangar utilizado como base de operações.

De lá, pegam os ônibus que os levarão para 451 centros de acolhida espalhados por todo o território francês.

No início da tarde, 25 ônibus com 1.000 migrantes já haviam deixado o acampamento. Se conseguirmos evacuar entre 2.000 e 2.500 pessoas nesta segunda, será ótimo, afirmou Didier Leschi, diretor do escritório francês de migração.

Uma vez evacuado, a acampamento será demolido. As escavadeiras começarão a trabalhar na terça-feira.

Apesar de alguns empurrões e discussões, a operação transcorreu em calma, declarou o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve.

Cerca de 1.250 policiais foram mobilizados para garantir as operações.

No total, entre 6.000 e 8.000 migrantes serão evacuados em uma operação que vai durar a semana toda.

O primeiro na fila para o primeiro ônibus, um sudanês de 25 anos, afirmou que qualquer lugar da França será melhor do que Calais.

Por outro lado, Mohamed, um etíope, é mais cético. Quero ir para o Reino Unido, não me interessa embarcar nesses ônibus.

Homens, mulheres e crianças convivem há meses neste acampamento precário.

O governo francês anunciou no fim de setembro o desmantelamento do acampamento que, com a insegurança e a revolta que gera entre a população local, se transformou num ponto delicado que envenena o debate na França em torno da imigração, seis meses antes das eleições presidenciais.

Simboliza também a impotência da Europa frente à pior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial.

As autoridades começaram a distribuir folhetos em vários idiomas para explicar a operação, apresentada como humanitária, e tentar convencer os mais reticentes.

Ainda é preciso convencer algumas pessoas, admitiu Didier Leschi, diretor-geral do Escritório Francês de Imigração.

Como Karhazi, um afegão que lamenta ser obrigado a ir embora. Terão que nos forçar a partir. Queremos ir para o Reino Unido, insistiu.

Vários migrantes abandonaram o acampamento nos últimos dias para não se afastar da região e continuar tentando cruzar o Canal da Mancha.

- Operação delicada -

Alguns povoados franceses expressaram seu desacordo com o plano de repartição imposto pelo executivo, e vários membros da oposição de direita aludiram ao risco de criar vários mini-Calais em todo o país.

Acolher nestas localidades 30, 40 pessoas me parece o mínimo. É preciso ter respeito e humanidade para com os migrantes, declarou o ministro das Cidades, Patrick Kanner.

Além da logística complexa, a operação é delicada do ponto de vista de segurança.

Na noite de domingo ocorreram confrontos perto do acampamento e a polícia precisou lançar bombas de gás lacrimogêneo.

O desmantelamento do acampamento permitiu reunir uma parte dos 1.300 menores não acompanhados que viviam na Selva.

O governo britânico acelerou os procedimentos para acolher estas crianças e adolescentes, dos quais cerca de 500 têm famílias no Reino Unido.

Mais de um milhão de pessoas que fogem da guerra e da pobreza na África e no Oriente Médio chegaram à Europa em 2015, semeando divisões entre os 28 países da União Europeia (EU) e alimentando a ascensão dos partidos de extrema-direita.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212