Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Bachelet sofre dura derrota para a direita nas legislativas no Chile - Jornal Brasil em Folhas
Bachelet sofre dura derrota para a direita nas legislativas no Chile


A oposição de direita chilena aplicou no domingo um duro golpe na coalizão governista de Michelle Bachelet, com vitórias nas localidades mais emblemáticas do país, o que abre caminho para a recuperação do poder nas eleições gerais do próximo ano.

Este é o primeiro passo para recuperar (a casa de governo) La Moneda, celebrou o presidente da ultraconservadora União Democrata Independente (UDI), Hernán Larraín, um dos partidos da aliança opositora Chile Vamos.

A aliança venceu com 38,46% dos votos a coalizão governista, que obteve 37,09%, depois de apurados 98,01% dos votos, segundo o Serviço Eleitoral (Servel).

A abstenção superou os 65%. Em algumas localidades como Puente Alto, na área metropolinata, apenas 21,6% dos eleitores votaram.

A oposição ficou com as prefeituras de cidades importantes como Santiago, Providencia, Maipú, Ñuñoa e Puente Alto.

Os corações sentem que tempos melhores estão vindo, declarou o ex-presidente Sebastián Piñera, o mais provável candidato único da direita para as eleições de novembro de 2017, celebrando vitória naq província de Providência, da ex-candidata presidencial Evelyn Matthei.

O empresário multimilionário, que antecedeu Bachelet no cargo, aditou sua decisão para março do ano que vem. As pesquisas o situam como a melhor opção para recuperar o poder para a direita.

Temos que fazer melhor as coisas. É o que os cidadãos estão nos pedindo, admitiu a presidente Bachelet, cuja popularidade despencou depois da explosão de um escândalo de corrupção que envolve seu filho mais velho.

- A direita vence em Santiago-

O advogado Felipe Alessandri foi outra surpresa do dia ao desbancar a experiente dirigente social-democrata Carolina Tohá da prefeitura de Santiago.

A vitória da direita na cidade que concentra o poder político do país dá um novo impulso a Piñera (2010-2014).

Por outro lado, a derrota de Tohá representa um duríssimo golpe para o governo e, em especial, para os planos do também ex-presidente Ricardo Lagos (2000-2006), que ambiciona a indicação única da centro-esquerda.

No lado dos derrotados, também há possíveis candidatos nas primárias como a senadora Isabel Allende - filha do ex-presidente Salvador Allende - e o jornalista Alejandro Guillier, até agora favorito dos eleitores.

Bachelet não pode, por lei, tentar uma reeleição consecutiva.

-Alta abstenção -

Cerca 14 milhões de cidadãos estavam habilitados a votar nos prefeitos e vereadores das 346 cidade do país, a sexta eleição legislativa desde a volta da democracia após a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

O dia acabou com uma abstenção que superou 65%, segundo dados parciais, como já vinha acontecendo desde a instauração do voto voluntário em 2012.

As eleições transcorreram calmamente, mas foram marcadas por um forte descontentamento da cidadania depois de vários escândalos de corrupção política, incluindo o que envolve o filho de Bachelet e sua nora, investigado por um suposto uso de informação privilegiada e tráfico de influência envolvendo um milionário negócio imobiliário.

Há muita desconfiança em relação a quem ocupa cargos públicos ou se apresentam como candidatos, e a resposta foi abster-se de votar, comentou Ignacio Torres, um eleitor.

As pesquisas prévias antecipavam uma apertada vitória do governo.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212