Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Um concurso de beleza de albinos para lutar contra o preconceito no Quênia - Jornal Brasil em Folhas
Um concurso de beleza de albinos para lutar contra o preconceito no Quênia


Em alguns países da África os albinos são estigmatizados e perseguidos, mas na sexta-feira no Quênia inúmeros jovens com esta condição genética foram o centro das atenções na escolha dos primeiros Miss e Mister Albinismo Quênia.

O primeiro concurso deste tipo, segundo os organizadores, tinha como objetivo mostrar que há albinos belos e que se sentem bem consigo mesmo, explicou Isaac Mwaura, o primeiro deputado albino queniano e organizador do evento.

O albinismo é uma condição genética que se caracteriza pela ausência de pigmento na pele, cabelo e olhos.

Na África, as pessoas têm a pele negra. Quando uma mulher dá à luz a um albino dizem que é uma maldição, contou Nancy Njeri Kariuki, uma jovem de 24 anos que viajou da região central do Quênia para participar do concurso.

Até as crianças da mesma idade têm medo, acrescentou a jovem que desfilou com uma peruca castanha diante do vice-presidente do país, William Ruto.

Os participantes desfilaram com vestimentas semelhantes às usadas em seus trabalhos: de pescador a soldado, passando por uma jogadora de rúgbi, para demonstrar que também podem ser parte da população ativa do país.

Segundo Isaac Mwaura, os albinos têm muita dificuldade de encontrar emprego.

Michael Ogochi, um participante de 21 anos, explicou que o concurso o ajudou a ter mais confiança em si mesmo.

Crescer foi difícil para mim (...) ninguém queria estar comigo. Você tem que trabalhar a sua autoestima e ser resistente, disse.

Em vários países do sul e do leste da África, como Tanzânia, Malauí, Burundi ou Moçambique, os albinos são vítimas de diversos ataques. Alguns são perseguidos e têm seus membros amputados para rituais de feitiçaria.

Esse tipo de ataque, entretanto, não é comum no Quênia.

 

Últimas Notícias

Índice de registro de imóveis pode melhorar transações no país
Programa para receber declaração do IR estará disponível segunda-feira
Paulo Guedes espera aprovação da reforma da Previdência até junho
Doria anuncia redução do aumento do preço médio do gás em São Paulo
Pesquisador em Engenharia Aeroespacial assume presidência do CNPq
Ortega anuncia retomada do diálogo com a sociedade organizada
Empresária vítima de tentativa de feminicídio no Rio deixa hospital
Atriz Fernanda Montenegro recebe alta de hospital no Rio

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212