Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Doação de terreno de R$ 38 milhões salva Templo de Salomão em SP - Jornal Brasil em Folhas
Doação de terreno de R$ 38 milhões salva Templo de Salomão em SP


Para evitar o fechamento do Templo de Salomão, no Brás (centro), a Igreja Universal do Reino de Deus assinou um documento em que se compromete a doar à Prefeitura de São Paulo um terreno avaliado em R$ 38 milhões –que será destinado à construção de moradias populares.
A escritura com a promessa de doação foi firmada em cartório no último dia 17 por um bispo da Universal e representantes da gestão Fernando Haddad (PT), que cogitava a hipótese de fechamento e de demolição do espaço.
O templo, que tem 74 mil m² de área construída, foi inaugurado em 2014, mas só com um alvará para eventos, que deve ser renovado a cada seis meses. O atual vence neste mês.
Na época da inauguração, já se discutia uma contrapartida para que a igreja tivesse um documento definitivo de funcionamento do templo (chamado de “habite-se”).
A área doada tem 17 mil m² e fica no Belenzinho (zona leste). Segundo Haddad, ela será destinada à construção de 700 moradias populares.
“Era uma pendência que precisava ser resolvida e agora será um ganho para a cidade”, afirmou o prefeito, que perdeu as eleições deste ano para João Doria (PSDB).

DESFECHO

A Universal informou à Folha, por meio de nota, que tem até 180 dias para doar o imóvel e que “o compromisso de doação –que se soma a outras providências já tomadas pela igreja– proporcionará a obtenção do habite-se”.
O acordo é o desfecho de uma discussão iniciada em 2013, quando o templo já estava em estágio avançado de construção, após um polêmico processo de aprovação formalizado em 2006.
Conforme revelou a Folha em julho de 2014, para conseguir a aprovação, a igreja apresentou um pedido de reforma do prédio na área onde hoje funciona o templo. Porém o edifício havia sido demolido dois anos antes.
Segundo um parecer técnico apresentado por uma comissão à época, a igreja usou informações falsas para burlar a legislação. O correto era que o imóvel fosse aprovado após processo para alvará de construção, não de reforma.
A liberação do projeto ocorreu após decisões do ex-diretor do Aprov (departamento que autorizava construções) Hussain Aref Saab, que ignorou o parecer. Aref é suspeito de comandar esquema de corrupção na aprovação de obras.
Em 2014, a igreja disse ter convicção de que tanto o projeto quanto a construção obedeceram as exigências legais.
Outro problema na construção do templo era que ele ocupava área reservada para moradias populares.
Nesses casos, o dono tem que usar 40% do terreno para essas habitações. Com um alvará de reforma, essa obrigação não foi imposta.
Ao assumir, a gestão Haddad questionou a Universal. A solução para liberar o funcionamento do templo foi exigir uma contrapartida –formalizada apenas agora.
O templo –que custou cerca de R$ 680 milhões– foi inaugurado mesmo sem o aval do Corpo de Bombeiros em julho de 2014 com a presença da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e seu então vice, Michel Temer (PMDB), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o próprio Haddad.

 

Últimas Notícias

Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Bolsonaro é destaque em reunião dos 100 maiores empresários do mundo
Operação marítima em Niterói combate mistura de álcool e direção
Cultura do Japão invade a praia de Copacabana com dança e alegoria
Único eclipse total lunar do ano poderá ser visto nesta madrugada
Pais se organizam para gastar menos com material escolar
Brasil busca verbas para garantir participação na Universíade
Bolsonaro chega nesta segunda à Suíça; Mourão assume a Presidência

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212