Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Papa recebe Maduro, e Vaticano anuncia diálogo na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Papa recebe Maduro, e Vaticano anuncia diálogo na Venezuela


Em meio ao acirramento da crise política na Venezuela, o papa Francisco recebeu nesta segunda (24), no Vaticano, o presidente Nicolás Maduro.
Durante a audiência, que teve caráter “privado” e não tinha sido anunciada, o papa incentivou “o diálogo sincero e construtivo” entre governo e oposição da Venezuela, com a finalidade de “aliviar o sofrimento” das pessoas e promover “a coesão social”, afirmou, em nota, a Santa Sé.
O papa, “que leva todos os venezuelanos no coração, deseja continuar a oferecer a sua contribuição a favor da institucionalidade deste país”, diz o comunicado, publicado em italiano.
Durante o encontro, que não teve a duração divulgada, Francisco convidou o presidente venezuelano a iniciar “com coragem a via do diálogo sincero e construtivo para aliviar o sofrimento do povo.”
Pouco depois, o enviado de Francisco à Venezuela anunciou que governo e oposição concordaram em iniciar um diálogo formal para superar a crise política. A primeira reunião está prevista para o próximo domingo (30), na Isla Margarita, ilha venezuelana no Caribe.
O núncio apostólico argentino Emil Paul Tscherrig afirmou que o encontro entre chavistas e opositores nesta segunda “transcorreu em um clima de respeito, cordialidade e vontade política para fazer avançar esse processo”.
“Espero que se coloque o tema econômico da recuperação da Venezuela como ponto central. Espero que se imponha o respeito à Constituição e se abandone o caminho do golpismo”, disse Maduro em Roma.
Já o líder opositor Henrique Capriles negou o diálogo com o governo. “Qual diálogo? Na Venezuela não se iniciou nenhum diálogo (...) Eles pretendem usar a boa fé do papa Francisco, a boa fé do núncio argentino, para dizer: aqui não aconteceu nada”, afirmou Capriles, que acrescentou: “Atenção porque estamos lidando com o diabo”.

PROTESTOS

Ao menos 27 estudantes universitários ficaram feridos na noite desta segunda-feira após confrontos com a polícia na cidade de San Cristóbal, capital do Estado de Táchira, no leste da Venezuela. Eles protestavam contra a suspensão do referendo convocado pela oposição contra Maduro.
O governador de Táchira, o chavista José Vielma Mora, afirmou que “alunos violentos” da Universidade Católica de Táchira bloquearam ruas, deixando um colégio isolado, mas não comentou a ação da polícia.
Mais cedo, em Caracas, policiais e estudantes também entraram em confronto durante uma manifestação anti-Maduro.
Ao menos dois estudantes ficaram feridos após a polícia usar bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para impedir que o ato deixasse o campus da Universidade Central da Venezuela.

GOLPE

Em sessão tensa, suspensa rapidamente pela invasão do local por chavistas, a Assembleia Nacional declarou, no domingo (23), que houve “ruptura da ordem constitucional” cometida pelo “regime” de Maduro e pediu uma “rebelião popular” no país. Líderes opositores convocaram novos protestos para esta quarta-feira (26). O Parlamento denunciou um “golpe de Estado” depois que o CNE (Conselho Nacional Eleitoral) suspendeu, na semana passada, a segunda fase de convocação de um referendo sobre o mandato de Maduro, que termina em 2019.
O órgão eleitoral —que a oposição acusa de estar a serviço do chavismo— tomou a decisão depois que tribunais penais de cinco Estados anularam as assinaturas coletadas pela coalizão opositora MUD (Mesa da Unidade Democrática) em maio, na primeira fase do processo, alegando fraudes.
Na primeira rodada, era preciso recolher 200 mil firmas (a oposição conseguiu 1,9 milhão). Na segunda, que seria realizada nesta semana, era preciso coletar 4 milhões. A oposição acusa o governo de manobrar para que a consulta seja realizada apenas em 2017. Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro, e Maduro for derrotado nas urnas, assume o vice-presidente, Aristóbulo Istúriz.
Mas se a votação acontecer antes dessa data, novas eleições são convocadas em caso de derrota do presidente.
Segundo o instituto Datanálisis, 60% dos venezuelanos votariam para destituir Maduro no referendo.
A suspensão do processo deixou ainda mais tenso o clima político em um país que sofre com severa escassez de alimentos e remédios. O FMI (Fundo Monetário Internacional) projeta inflação de 475% para a Venezuela neste ano.
A ONG Human Rights Watch, em relatório divulgado nesta segunda, constatou que o cuidado médico no país se deteriorou significativamente nos últimos dois anos. O documento cita a falta de medicamentos básicos como antibióticos e analgésicos, e suprimentos como gaze, luvas cirúrgicas e álcool médico.
A oposição sustenta que a solução para a crise é a saída de Maduro.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212