Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Papa recebe Maduro, e Vaticano anuncia diálogo na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Papa recebe Maduro, e Vaticano anuncia diálogo na Venezuela


Em meio ao acirramento da crise política na Venezuela, o papa Francisco recebeu nesta segunda (24), no Vaticano, o presidente Nicolás Maduro.
Durante a audiência, que teve caráter “privado” e não tinha sido anunciada, o papa incentivou “o diálogo sincero e construtivo” entre governo e oposição da Venezuela, com a finalidade de “aliviar o sofrimento” das pessoas e promover “a coesão social”, afirmou, em nota, a Santa Sé.
O papa, “que leva todos os venezuelanos no coração, deseja continuar a oferecer a sua contribuição a favor da institucionalidade deste país”, diz o comunicado, publicado em italiano.
Durante o encontro, que não teve a duração divulgada, Francisco convidou o presidente venezuelano a iniciar “com coragem a via do diálogo sincero e construtivo para aliviar o sofrimento do povo.”
Pouco depois, o enviado de Francisco à Venezuela anunciou que governo e oposição concordaram em iniciar um diálogo formal para superar a crise política. A primeira reunião está prevista para o próximo domingo (30), na Isla Margarita, ilha venezuelana no Caribe.
O núncio apostólico argentino Emil Paul Tscherrig afirmou que o encontro entre chavistas e opositores nesta segunda “transcorreu em um clima de respeito, cordialidade e vontade política para fazer avançar esse processo”.
“Espero que se coloque o tema econômico da recuperação da Venezuela como ponto central. Espero que se imponha o respeito à Constituição e se abandone o caminho do golpismo”, disse Maduro em Roma.
Já o líder opositor Henrique Capriles negou o diálogo com o governo. “Qual diálogo? Na Venezuela não se iniciou nenhum diálogo (...) Eles pretendem usar a boa fé do papa Francisco, a boa fé do núncio argentino, para dizer: aqui não aconteceu nada”, afirmou Capriles, que acrescentou: “Atenção porque estamos lidando com o diabo”.

PROTESTOS

Ao menos 27 estudantes universitários ficaram feridos na noite desta segunda-feira após confrontos com a polícia na cidade de San Cristóbal, capital do Estado de Táchira, no leste da Venezuela. Eles protestavam contra a suspensão do referendo convocado pela oposição contra Maduro.
O governador de Táchira, o chavista José Vielma Mora, afirmou que “alunos violentos” da Universidade Católica de Táchira bloquearam ruas, deixando um colégio isolado, mas não comentou a ação da polícia.
Mais cedo, em Caracas, policiais e estudantes também entraram em confronto durante uma manifestação anti-Maduro.
Ao menos dois estudantes ficaram feridos após a polícia usar bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para impedir que o ato deixasse o campus da Universidade Central da Venezuela.

GOLPE

Em sessão tensa, suspensa rapidamente pela invasão do local por chavistas, a Assembleia Nacional declarou, no domingo (23), que houve “ruptura da ordem constitucional” cometida pelo “regime” de Maduro e pediu uma “rebelião popular” no país. Líderes opositores convocaram novos protestos para esta quarta-feira (26). O Parlamento denunciou um “golpe de Estado” depois que o CNE (Conselho Nacional Eleitoral) suspendeu, na semana passada, a segunda fase de convocação de um referendo sobre o mandato de Maduro, que termina em 2019.
O órgão eleitoral —que a oposição acusa de estar a serviço do chavismo— tomou a decisão depois que tribunais penais de cinco Estados anularam as assinaturas coletadas pela coalizão opositora MUD (Mesa da Unidade Democrática) em maio, na primeira fase do processo, alegando fraudes.
Na primeira rodada, era preciso recolher 200 mil firmas (a oposição conseguiu 1,9 milhão). Na segunda, que seria realizada nesta semana, era preciso coletar 4 milhões. A oposição acusa o governo de manobrar para que a consulta seja realizada apenas em 2017. Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro, e Maduro for derrotado nas urnas, assume o vice-presidente, Aristóbulo Istúriz.
Mas se a votação acontecer antes dessa data, novas eleições são convocadas em caso de derrota do presidente.
Segundo o instituto Datanálisis, 60% dos venezuelanos votariam para destituir Maduro no referendo.
A suspensão do processo deixou ainda mais tenso o clima político em um país que sofre com severa escassez de alimentos e remédios. O FMI (Fundo Monetário Internacional) projeta inflação de 475% para a Venezuela neste ano.
A ONG Human Rights Watch, em relatório divulgado nesta segunda, constatou que o cuidado médico no país se deteriorou significativamente nos últimos dois anos. O documento cita a falta de medicamentos básicos como antibióticos e analgésicos, e suprimentos como gaze, luvas cirúrgicas e álcool médico.
A oposição sustenta que a solução para a crise é a saída de Maduro.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212