Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Câmara aprova redação final da PEC do teto de gastos por 325 votos - Jornal Brasil em Folhas
Câmara aprova redação final da PEC do teto de gastos por 325 votos


O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou todos os seis destaques que foram apresentados pela oposição para modificar o texto da proposta de emenda à Constituição (PEC) 241, que fixa um teto para os gastos públicos. Com isso, a tramitação do projeto foi concluída na Câmara e segue agora para votação no Senado. A expectativa do governo é que a PEC seja votada em dois turnos entre os senadores até o dia 13 de dezembro.

As emendas eram para suprimir trechos da proposta. A oposição tentou, por exemplo, excluir da PEC a fixação de um teto para as despesas com as áreas de saúde e educação. O governo, no entanto, conseguiu derrubar os destaques mantendo o quórum elevado na sessão. Para rejeitar emendas supressivas era preciso obter, no mínimo, 308 votos. A redação final foi aprovada por 325 votos a favor e 89 contra, com apenas uma abstenção.

Mais cedo, o texto-base da PEC 241 já tinha sido aprovado, mais uma vez com a ampla maioria para o governo, com 359 votos a favor e 116 contra, com duas abstenções. A margem da votação em segundo turno não foi maior que a obtida em primeiro turno, quando o placar foi de 366 votos a favor e 111 contra, com duas abstenções. Isso apesar de o presidente Michel Temer ter reforçado a interlocução com a Câmara entre as duas votações para assegurar mais apoio à PEC.

A expectativa do governo é conseguir aprovar a PEC no Congresso até o dia 13 de dezembro. Ela tem que passar por votação em dois turnos no Senado. A emenda é a principal medida econômica do governo Michel Temer. Pelo projeto, as despesas públicas só poderão crescer com base na inflação por um período de 20 anos.

Durante a sessão de votação, os parlamentares se alternaram no microfone para criticar e também defender a proposta. Manifestantes que ocupavam as galerias para protestar contra a limitação de gastos para as áreas de saúde e educação irritaram o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele chegou a interromper a sessão para que as galerias fossem esvaziadas e chamou os manifestantes de mal-educados. O grupo rebateu com gritos de "fora Temer".

BASE ALIADA MINIMIZA MARGEM MENOR

A base aliada minimizou o fato de a votação da PEC do teto dos gastos ter sido aprovada, em segundo turno, na Câmara dos Deputados com sete votos a menos do que em primeiro turno. Nesta terça-feira, o texto-base da emenda recebeu o sinal verde dos deputados com 359 votos a favor. Já no primeiro turno, o placar chegou a 366.

Na base aliada do governo Temer, três deputados mudaram de voto em relação ao primeiro turno: Bebeto (PSB-BA), que tinha votado sim à PEC, neste segundo turno votou não; o deputado Silas Freire (PR-PI), que votou abstenção, neste segundo turno votou contra a emenda. Mas o governo ganhou o voto a favor do deputado Marcelo Belinatti (PP-PR) neste segundo turno, que tinha votado contra a emenda em primeiro turno. O governo também perdeu o voto sim do deputado Hissa Abrahão (PDT-AM), que neste segundo turno votou contra a emenda.

Segundo o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), as ausências ocorreram porque alguns deputados estão doentes, em viagem oficial ou em campanha para eleições municipais. Entre os parlamentares que votaram pela PEC no primeiro turno e se ausentaram hoje estão: Átila Lins (PSD-AM) e Cláudio Cajado (DEM-BA), ambos em missão no exterior. No grupo dos candidatos a prefeito estão: Duarte Nogueira (PSDB-SP), em Ribeirão Preto, Washington Reis (PMDB-RJ), no Rio de Janeiro. Júnior Marreca (PEN-MA), não é candidato, mas justificou ao líder que tinha que participar da campanha de seu filho no estado. Estariam com problemas de saúde o líder do PSB, Paulo Foletto (ES), Renato Molling (PP-RS) e Adail Carneiro (PP-CE).

Levantamento preliminar sobre a votação em primeiro e segundo turno mostra que pelo menos 12 deputados da base aliada que tinham votado a favor da PEC no primeiro turno, se ausentaram. Mas, outros cinco que estavam ausentes no primeiro turno, compareceram para votar a favor.

Os deputados de partidos da base aliada Linconl Portela (PRB-MG), Irmão Lázaro (PSC-BA) e Bacelar (PTN-BA), que estavam ausentes no primeiro turno, neste segundo turno compareceram para votar contra a emenda. NO PDT, ausentes no primeiro turno, os deputados Pompeu de Matos (RS) e Sérgio Vidigal (ES), votaram contra a emenda neste segundo turno. O líder do PSOL, Ivan Valente (SP), contrário à PEC, não aparece na lista de votantes deste segundo turno do texto base da emenda.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212