Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 País é pobre se depende só da Selic para conter inflação, diz presidente da CNI - Jornal Brasil em Folhas
País é pobre se depende só da Selic para conter inflação, diz presidente da CNI


O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, disse hoje (28) esperar que o governo e o Banco Central tenham outros mecanismos para controlar a inflação além da taxa de juros. Andrade avaliou que o BC tomou a melhor decisão, na semana passada, ao manter a taxa básica de juros em 14,25%.

Nesta manhã, o Comitê de Política Monetária divulgou ata em que sinaliza abandonar o objetivo de levar a inflação para o centro da meta (4,5%) ainda este ano. Robson Andrade disse entender que o aumento da taxa de juros gera redução da inflação e dá segurança para a moeda brasileira, mas ressaltou que o Brasil está em uma taxa tão elevada que o melhor foi não aumentar, nem diminuir.

A mexida na taxa de juros agora vai refletir daqui a seis meses. Espero que o governo e o Banco Central tenham outros mecanismos que não sejam apenas reduzir a taxa de juros. O país é muito pobre quando depende apenas da taxa de juros para controle da inflação, afirmou.

Na opinião do presidente da CNI, o ideal seria que a taxa diminuísse. Ele disse entender, porém, que no momento não dá pra diminuir.

Robson Andrade conversou com jornalistas ao chegar ao Palácio do Planalto para participar da primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o chamado Conselhão, após a sua reativação. O objetivo do governo é ouvir dos conselheiros sugestões para as medidas econômicas que pretende adotar para recuperar a economia.

Para o presidente da CNI, o Conselhão, composto por 92 membros da sociedade civil, do empresariado e de representantes dos trabalhadores, não deve ser usado para a construção de consensos. Não acredito que seja possível, em um fórum tão eclético, conseguir consensos e construir políticas e propostas adequadas para aquilo que o país precisa. Acho que o governo tem que trazer as propostas, tem mecanismo para trazer aquilo que o país está precisando neste momento, e contar com esse fórum para dar referência, legitimidade, para as propostas que quer implementar, afirmou.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212