Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mosquitos resistentes a zika e dengue serão soltos em Brasil e Colômbia - Jornal Brasil em Folhas
Mosquitos resistentes a zika e dengue serão soltos em Brasil e Colômbia


Governos e filantropos anunciaram nesta quarta-feira um plano de US$ 18 milhões para liberar mosquitos resistentes ao zika, à dengue e a outros vírus em áreas urbanas da Colômbia e do Brasil.

O objetivo do programa é impulsionar os esforços de controle do mosquito usando as bactérias Wolbachia a partir do ano que vem, após a propagação alarmante do vírus zika, que pode causar malformações congênitas graves em fetos de mulheres infectadas.

A Wolbachia está presente naturalmente em 60% dos insetos, mas não nos mosquitos.

Pesquisas e ensaios de campo ao longo dos últimos anos em países como Austrália, Indonésia e Vietnã mostraram que injetar a bactéria em mosquitos reduz significativamente a sua capacidade de espalhar o vírus.

Entre os financiadores da iniciativa estão a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), o governo britânico, a fundação de caridade global Wellcome e a Fundação Bill e Melinda Gates.

O uso da Wolbachia para reduzir a transmissão de doenças transmitidas por mosquitos tem o potencial de reduzir significativamente o impacto na saúde global e o custo socioeconômico do zika e de outras infecções relacionadas, como a dengue e a febre amarela, disse Mike Turner, diretor em exercício de Ciência e chefe de Infecção e Imunobiologia da Wellcome.

Esta pesquisa é essencial, uma vez que irá ajudar a medir o impacto na saúde do método Wolbachia em grandes áreas urbanas, onde estes tipos de surtos podem ter impactos tão devastadores, acrescentou.

O processo de inoculação de mosquitos Aedes aegypti, que transmite o vírus, com a Wolbachia foi desenvolvido pelo Programa Eliminar a Dengue, uma colaboração internacional de pesquisa sem fins lucrativos liderada pela Universidade de Monash, na Austrália.

Ensaios de campo em pequena escala começaram a ser realizados no Rio de Janeiro em 2014 e em Bello - subúrbio de Medellin, na Colômbia - em 2015.

O novo fundo vai financiar a rápida ampliação das implantações de Wolbachia na América Latina, a partir do início de 2017, disse um comunicado dos financiadores.

A cobertura da Wolbachia será estendida por Bello e outras partes de Antioquia e agora em partes da maior área do Rio de Janeiro, acrescentou.

Os cientistas dizem que vão estudar as áreas ao longo dos próximos dois ou três anos para determinar o impacto do programa na saúde humana, na esperança de que as liberações reduzam significativamente novos casos de zika, dengue e chikungunya.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212