Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Especialista critica recusa da ONU em reconhecer responsabilidade por cólera no Haiti - Jornal Brasil em Folhas
Especialista critica recusa da ONU em reconhecer responsabilidade por cólera no Haiti


A recusa da ONU em a reconhecer sua responsabilidade legal pela epidemia de cólera que assola o Haiti desde 2010 é injustificável e enfraquece a credibilidade da organização, disse nesta terça-feira um especialista independente em direitos humanos.

Esta atitude estabelece um sistema de dois pesos e duas medidas que contradiz os esforços da ONU para punir os governos responsáveis por abusos, disse Philip Alston, relator especial da ONU para a pobreza extrema e os direitos humanos.

A meados de agosto, a ONU reconheceu, pela primeira vez, sua implicação no surto inicial da epidemia.

De acordo com vários especialistas independentes, a doença foi introduzida no Haiti por tropas de paz nepalesas da Missão das Nações Unidas no local (Minustah).

A organização internacional afirma que não tem nenhuma responsabilidade legal - admite ter, no máximo, uma responsabilidade moral.

A atitude da ONU durante seis anos foi um desastre, disse Alston, acrescentando que a organização é moralmente condenável e indefensável do ponto de vista legal.

Alston, um especialista independente à serviço da ONU, fez as declarações na Assembleia Geral das Nações Unidas, ao apresentar um relatório sobre o caso.

O relator especial afirmou, ainda, que a organização deveria estabelecer um procedimento para atender as necessidades das famílias de milhares de falecidos por cólera.

Para o especialista, a estratégia da ONU de tentar evitar a todo custo reconhecer a sua responsabilidade e colocar um manto de silêncio sobre o assunto foi ditada pelo seu departamento jurídico e inspirada pelos Estados Unidos.

A ONU prevê enviar ajuda material direta para as famílias das vítimas de cólera e para as comunidades mais afetadas, assim como acelerar a luta contra a epidemia, agravada após a passagem do furacão Matthew, semanas atrás.

A cólera deixou cerca de 9.300 mortos e 800.000 afetados no Haiti desde o surto da epidemia, em outubro de 2010. A cada semana, são registrados 500 novos casos.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212