Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Contar mentirinhas pode eliminar o sentimento de culpa, aponta estudo - Jornal Brasil em Folhas
Contar mentirinhas pode eliminar o sentimento de culpa, aponta estudo


Cientistas no Reino Unido constataram que quando algumas pessoas começam a contar repetidamente pequenas mentiras o cérebro pode chegar a anular o sentimento de culpa e levá-las a dizer mentiras mais graves, segundo revela um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Nature.

A pesquisa, desenvolvida pelo University College London (UCL), representa a primeira evidência empírica em relação aos processos mentais que o ser humano segue quando diz uma mentirinha para atender interesses pessoais, destacam os autores em comunicado.

Para este estudo, os especialistas escanearam a atividade do cérebro de 80 voluntários com idades entre os 18 e 65 anos, enquanto participavam de uma série de testes nos quais podiam mentir para obter um benefício pessoal.

Foi descoberto que a amídala, uma parte do cérebro associada às emoções, apresentava um maior nível de atividade quando os participantes contavam pela primeira vez uma dessas mentiras.

No entanto, a reação da amídala diminuía à medida que se repetiam as mentiras e aumentava sua magnitude, e foi percebido que uma pronunciada queda em sua atividade predizia que a pessoa ia contar no futuro uma grande mentira.

Quando mentimos para conseguir um benefício pessoal, nossa amídala gera sentimentos negativos que limitam até que ponto estamos dispostos a mentir, explicou Tali Sharot, do departamento de Psicologia Experimental da universidade.

No entanto, essa resposta, condicionada por um sentimento de culpa, vai perdendo força se seguirmos mentindo e, em consequência, quanto mais cai, maiores ficam as mentiras.

Este fenômeno do comportamento pode situar a pessoa perante o que os cientistas denominaram uma pendente escorregadia, na qual os pequenos e repetidos atos de desonestidade podem acarretar mentiras maiores.

É provável que a abrupta resposta do cérebro aos repetidos atos de desonestidade reflita uma redução da resposta emocional a estes atos, disse Neil Garrett, outro dos autores da pesquisa.

Segundo o especialista, o princípio de reação da amídala perante as mentiras pode servir para estudar desde este mesmo ponto de vista à evolução de outros comportamentos, como a escalada da violência ou o das pessoas que assumem riscos.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212