Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Contar mentirinhas pode eliminar o sentimento de culpa, aponta estudo - Jornal Brasil em Folhas
Contar mentirinhas pode eliminar o sentimento de culpa, aponta estudo


Cientistas no Reino Unido constataram que quando algumas pessoas começam a contar repetidamente pequenas mentiras o cérebro pode chegar a anular o sentimento de culpa e levá-las a dizer mentiras mais graves, segundo revela um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Nature.

A pesquisa, desenvolvida pelo University College London (UCL), representa a primeira evidência empírica em relação aos processos mentais que o ser humano segue quando diz uma mentirinha para atender interesses pessoais, destacam os autores em comunicado.

Para este estudo, os especialistas escanearam a atividade do cérebro de 80 voluntários com idades entre os 18 e 65 anos, enquanto participavam de uma série de testes nos quais podiam mentir para obter um benefício pessoal.

Foi descoberto que a amídala, uma parte do cérebro associada às emoções, apresentava um maior nível de atividade quando os participantes contavam pela primeira vez uma dessas mentiras.

No entanto, a reação da amídala diminuía à medida que se repetiam as mentiras e aumentava sua magnitude, e foi percebido que uma pronunciada queda em sua atividade predizia que a pessoa ia contar no futuro uma grande mentira.

Quando mentimos para conseguir um benefício pessoal, nossa amídala gera sentimentos negativos que limitam até que ponto estamos dispostos a mentir, explicou Tali Sharot, do departamento de Psicologia Experimental da universidade.

No entanto, essa resposta, condicionada por um sentimento de culpa, vai perdendo força se seguirmos mentindo e, em consequência, quanto mais cai, maiores ficam as mentiras.

Este fenômeno do comportamento pode situar a pessoa perante o que os cientistas denominaram uma pendente escorregadia, na qual os pequenos e repetidos atos de desonestidade podem acarretar mentiras maiores.

É provável que a abrupta resposta do cérebro aos repetidos atos de desonestidade reflita uma redução da resposta emocional a estes atos, disse Neil Garrett, outro dos autores da pesquisa.

Segundo o especialista, o princípio de reação da amídala perante as mentiras pode servir para estudar desde este mesmo ponto de vista à evolução de outros comportamentos, como a escalada da violência ou o das pessoas que assumem riscos.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212