Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Contar mentirinhas pode eliminar o sentimento de culpa, aponta estudo - Jornal Brasil em Folhas
Contar mentirinhas pode eliminar o sentimento de culpa, aponta estudo


Cientistas no Reino Unido constataram que quando algumas pessoas começam a contar repetidamente pequenas mentiras o cérebro pode chegar a anular o sentimento de culpa e levá-las a dizer mentiras mais graves, segundo revela um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Nature.

A pesquisa, desenvolvida pelo University College London (UCL), representa a primeira evidência empírica em relação aos processos mentais que o ser humano segue quando diz uma mentirinha para atender interesses pessoais, destacam os autores em comunicado.

Para este estudo, os especialistas escanearam a atividade do cérebro de 80 voluntários com idades entre os 18 e 65 anos, enquanto participavam de uma série de testes nos quais podiam mentir para obter um benefício pessoal.

Foi descoberto que a amídala, uma parte do cérebro associada às emoções, apresentava um maior nível de atividade quando os participantes contavam pela primeira vez uma dessas mentiras.

No entanto, a reação da amídala diminuía à medida que se repetiam as mentiras e aumentava sua magnitude, e foi percebido que uma pronunciada queda em sua atividade predizia que a pessoa ia contar no futuro uma grande mentira.

Quando mentimos para conseguir um benefício pessoal, nossa amídala gera sentimentos negativos que limitam até que ponto estamos dispostos a mentir, explicou Tali Sharot, do departamento de Psicologia Experimental da universidade.

No entanto, essa resposta, condicionada por um sentimento de culpa, vai perdendo força se seguirmos mentindo e, em consequência, quanto mais cai, maiores ficam as mentiras.

Este fenômeno do comportamento pode situar a pessoa perante o que os cientistas denominaram uma pendente escorregadia, na qual os pequenos e repetidos atos de desonestidade podem acarretar mentiras maiores.

É provável que a abrupta resposta do cérebro aos repetidos atos de desonestidade reflita uma redução da resposta emocional a estes atos, disse Neil Garrett, outro dos autores da pesquisa.

Segundo o especialista, o princípio de reação da amídala perante as mentiras pode servir para estudar desde este mesmo ponto de vista à evolução de outros comportamentos, como a escalada da violência ou o das pessoas que assumem riscos.

 

Últimas Notícias

Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida
Bolsonaro reitera que decisão sobre médicos cubanos é humanitária

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212